Atenção! 7 erros mais comuns ao criar um site profissional

A quantidade e variedade de ferramentas, recursos, serviços orientados a criação de websites e até mesmo informações e tutoriais de como criar um site para Internet de modo rápido e fácil, fez com que nos dias de hoje qualquer pessoa ou empresa possa ter um.

Não há qualquer problema nisso. Ao contrário, ter algum tipo de site para exercer sua presença digital, é na quase totalidade dos casos, uma necessidade.

O problema é que muitas vezes os sites são criados sem que se tenham certos cuidados fundamentais, acarretando em erros que irão impactar em maior ou menor grau no resultado final, especialmente se pensarmos em um site profissional e no seu papel.

É para que isso não aconteça com o seu site, que preparamos esse artigo, onde você pode verificar e corrigir os possíveis erros mais comuns.

O que são erros na criação de sites?

Alguns aspectos podem parecer subjetivos, ou seja, constituir erros para alguns e para outros não, dependendo apenas do ponto de vista de quem vê, visita e avalia um site.

Sendo assim, vamos tentar tanto quanto possível nos restringir a aspectos que podem ser mensurados, mesmo que comparativamente e conceitos tidos como corretos por profissionais experientes no assunto.

E essa costuma ser a principal razão para os erros ocorrerem, ou seja, o site foi criado por alguém sem experiência no assunto e/ou sem assessoria de um profissional ou empresa com expertise na área.

Assim, quando falamos em erros na criação de sites, estamos nos referindo a aspectos do site que podem significar uma experiência ruim – ou não tão boa como poderia ser – ao usuário. Mas também tudo que em alguma medida afete a taxa de conversão, seu posicionamento nos mecanismos de busca, o engajamento por parte dos visitantes e pouco atraente, entre outros possíveis problemas.

Lembre-se que um site profissional, deve ser a representação da empresa ou de um profissional na Internet e isso significa muita coisa:

  • Imagem – um site deve ajudar ou mesmo ter papel importante na construção da imagem perante seus visitantes, especialmente quando ele ainda não conhece ou não teve uma experiência anterior com a empresa, seus produtos / serviços. Nesse caso, a ideia que o visitante terá da empresa e do que ela vende, está intimamente relacionado com as impressões que o site conseguir passar;

  • Comunicação – a comunicação que a empresa estabelece com seus clientes e os potenciais, depende muito da Internet, seja pelos diferentes canais que ela oferece (e-mail, chat de atendimento, WhatsApp, site, helpdesk, etc), como pelas informações fornecidas no site, no blog, no fórum, nos tutoriais, ou nas redes sociais;

  • Conversão – converter é produzir algum resultado a partir de uma visita e que pode ser “apenas” uma curtida e/ou um compartilhamento, que indicam que o conteúdo agradou, foi útil, como também o esclarecimento de uma dúvida ou atendimento de uma necessidade que eram fundamentais para a venda acontecer;

  • Relacionamento – seja por fornecer uma variedade de canais de comunicação, seja porque é um meio para que os visitantes aproximem-se da empresa, conheçam-na, tenham melhores experiências com seus produtos e/ou serviços, bons sites ajudam nas políticas de Marketing de Relacionamento da empresa;

  • Suporte – um site é um importante canal de suporte, seja por meio do fornecimento de tutoriais, de um amplo e claro FAQ (Frequently Asked Questions, ou Perguntas Frequentemente Feitas, em português), da disponibilidade de manuais para download, um fórum de discussão e até mesmo o mais comum e simples, que é o meio para se chegar aos canais de atendimento (telefone, e-mail, etc);

  • Vendas – sites podem se tornar também bons canais de apoio a vendas, tanto pelo mais básico, como as já conhecidas e comuns páginas de produtos / serviços e que ajudam os visitantes a obter detalhes e características de cada produto ou modelo, como porque trabalhando bem cada um dos aspectos acima, conseguem inluenciar positivamente a jornada de compra do “candidato” a cliente, com evidente aumento nas chances das vendas acontecerem;

  • Institucional – os sites institucionais foram as primeiras e mais frequentes manifestações de sites de empresas. Mas mesmo para um profissional liberal ou um freelancer, é um importante meio de ser conhecido;

  • Branding – tudo isso que vimos, se bem aproveitado, é meio caminho andado no processo de branding ou de construção da marca.

Ou seja, quanto mais um site falha em conseguir cumprir os papéis acima, mais erros ele tem.

Os 7 erros mais comuns na criação de sites profissionais

Agora que você já sabe tudo o que um site pode e deve fazer por sua empresa ou por seus negócios, vamos avaliar individualmente os erros que são mais comuns de se encontrar em sites e como esses erros afetam o seu negócio na Internet.

No entanto, antes é importante ressaltar que alguns tipos de sites precisam de uma avaliação e abordagem mais específicos. Por exemplo, uma loja virtual é um tipo de site que tem suas particularidades e há cuidados que devem ser tomados que não fazem sentido no caso de um site institucional.

Por outro lado, há erros que são comuns a um blog, um site institucional, ou um e-commerce, como por exemplo, lentidão no carregamento das páginas.

Justamente por sua importância seja qual for o tipo de site e sua proposta, que começaremos por ele.

1. Lentidão no site

Você já se perguntou por que meu site está lento?

Se não, deveria. Principalmente se em vez de ESTAR lento, ele É lento!

Ou seja, a lentidão não é momentânea, mas permanente e tanto pior se esse é um comportamento que afeta todas as páginas, indicando que não é um problema apenas de uma página e seu conteúdo, como por exemplo, o carregamento de um pesado PDF ou outro tipo de conteúdo.

A lentidão no site pode ser resultado de muitas coisas:

  • Empresa de hospedagem – a escolha do provedor de hospedagem é um dos aspectos mais importantes. Uma boa empresa significa que lhe disponibiliza uma boa infraestrutura de hospedagem e sem sobrecargas, um bom suporte técnico, orienta na escolha e no uso das ferramentas e recursos, oferece opções de crescimento, entre outros fatores;

  • Plano de hospedagem – especialmente quando um site cresce, tanto em termos de sofisticação da plataforma de desenvolvimento utilizada, como em termos de tamanho do conteúdo e no número de visitantes, utilizar um plano de hospedagem capaz de suportar diferentes demandas, é fundamental para que o desempenho seja ótimo;

  • Plataforma de desenvolvimento – escolher um bom CMS e mesmo uma boa equipe de desenvolvimento que saiba adotar boas práticas de programação, imagens e outros conteúdos otimizados, tem reflexos diretos no desempenho do site;

  • Administração do site – a instalação de muitos plugins, escolha erradas de temas, imagens e vídeos sem um tratamento apropriado, bem como outras ações inadequadas ou mesmo ausência de manutenção no site, são outra causa frequente de lentidão;

  • Segurança – negligenciar aspectos de segurança também é dos motivos comuns de lentidão, seja porque o site sofreu uma invasão, seja porque ele está sofrendo algum tipo de ameaça, como por exemplo, um ataque DDoS. Questões de segurança, além do prejuízo ao desempenho, podem afetar até mesmo seus visitantes e clientes, como nos casos de exposição e vazamento de dados destes, que eventualmente estejam armazenados nos bancos de dados do site.

Seja qual for a causa, a lentidão tem muitas consequências negativas e que pode se resumir a “apenas” espantar eventuais visitantes que não terão paciência para aguardar o carregamento das páginas, como fazer despencar o ranqueamento do site nos mecanismos de busca e em particular no Google.

2. Site não responsivo ou mobile

Um site responsivo é um site que é desenvolvido para ser capaz de ajustar-se a diferentes resoluções de tela. Em outras palavras, o layout e o conteúdo automaticamente ajustam-se para uma resolução de um antigo monitor de desktop, para um full HD de notebook de última geração, um tablet ou diferentes telas e resoluções de smartphones.

Já um site mobile e que em geral até faz uso de um subdomínio (ex: http://m.meusite.com.br) específico para designá-lo, é um site que foi concebido para exibição em tablets e smartphones. Tanto layout, como recursos e conteúdo, são pensados para acesso nesses dispositivos.

Tendo em mente que segundo a pesquisa anual TIC (tecnologias de informação e comunicação) de domicílios desenvolvida pelo Cetic.br (Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação), 99% dos brasileiros acessaram a Internet em 2019 por celular e destes 58% o fizeram apenas pelo celular, não ter um site responsivo ou mobile, é um grave problema!

Para todo esse contingente de pessoas – quase 6 em cada 10! - a experiência na página de um site sem versão mobile ou responsivo, pode ser trágica.

3. Falta de planejamento

Esse é um aspecto que tem vários enfoques.

Quando falamos de ausência de planejamento, referimo-nos desde a falta de planejamento para criação do site, contemplando qual será sua proposta, os recursos que ele deve conter, detalhes operacionais e de manutenção, até os aspectos de administração, como o planejamento de conteúdo, para citar apenas um item de uma longa lista.

Criar e manter um site que cresce e evolui – ou não, em muitos casos – meramente de acordo com o soprar dos ventos, é um erro grave.

Assim como um barco a velas, ele vai para onde as marés arrastarem e os ventos soprarem e com alguma sorte, podem chegar a alguma praia ou ilha e com muita sorte, a algum porto.

Planejamento, sob um ótica bem simplista, é definir quem faz o quê, porque faz, como faz, quando faz. Mais ainda, tem propósito, tem metas, controle e administração.

Como medir o resultado de um site o qual não se sabe exatamente o que se quer dele?

4. Sem ações de Marketing

Aqui quando falamos de Marketing, queremos dizer o Marketing na sua forma mais ampla.

É o Marketing que muita gente já está familiarizado ou pelo menos ouviu falar e que tem sido chamado de Marketing “tradicional”, mas é também o Marketing Digital, o Marketing de Conteúdo, o Marketing de Atração (ou Inbound Marketing).

Não há como esperar algum tipo de retorno justificável de um site o qual não tenha associado uma ampla e bem pensada estratégia de Marketing Digital.

E isso tem ainda outras implicações que vão além do e-mail Marketing, das redes sociais, da publicidade paga, ou das ações que você imaginar para conseguir alguma visibilidade.

Não há como imaginar sem planejamento de conteúdo, da produção de conteúdo alinhado com suas personas, um bom trabalho de SEO, trazer um contingente importante de visitantes e que justifique manter um site.

5. Não cuidar da aparência

Esse é um dos pontos que está mais sujeito a subjetividade, pelo menos para alguns.

Mas não vamos nos restringir a parecer bonito ou feio. Não é isso!

Aparência de um site significa muita coisa. É também o que se vê e que pode ou não agradar os visitantes, mas é também o conjunto de porquês!

Porque se usa o conjunto de cores, as fontes usadas, seu tamanho e cores, os menus, os botões, os ícones, as imagens, o layout.

Tudo isso deve responder não apenas o senso estético, mas o funcional. Não compreendeu? O contraste ou a ausência de contraste entre o fundo de um texto e a fonte, podem tornar a leitura do conteúdo cansativa. A facilidade ou dificuldade de encontrar alguma página em função de um menu pouco convencional, pode implicar no seu visitante não encontrar o que busca, mesmo que tal conteúdo exista.

E até a localização dos recursos e conteúdo na primeira dobra (a porção do site vista sem que se tenha de rolar a página) importa.

Ou seja, o que se vê, não deve ser apenas bonito, mas funcionar para quem navega.

6. Não cuidar do conteúdo

Indiretamente já mencionamos esse erro, quando falamos da ausência de trabalho de Marketing de Conteúdo e Marketing de Atração e planejamento de conteúdo.

Não dá para fazer nada disso, sem cuidar do conteúdo. Nem há como imaginar trazer visitantes e fazer com que eles naveguem por outras páginas e até mesmo retornem, sem que se cuide muito bem de conteúdo.

Cuidar do conteúdo, é mais do que simplesmente produzir grandes quantidades dele. É cuidar da linguagem utilizada, é estar atento a correção gramatical, é fornecer diferentes tipos de conteúdo, é assegurar-se que as informações fornecidas estão atualizadas, corretas e não correm o risco de desinformar ou serem fake news.

É também fazer planejamento de conteúdo de forma com base em:

  • Criação de conteúdo atrativo, interessante, útil, usando de Brainstorming, Storytelling e Copywriting;

  • Cuidados relacionados com a abrangência dos temas e assuntos e verificação da escassez ou lacunas de conteúdo;

  • Avaliação do tamanho do conteúdo, bem como dos formatos e tipos de conteúdo que sua audiência se interessa;

  • Criação conteúdo que atenda demandas específicas, assuntos de destaque e tendências, usando o Google Trends, mas também conteúdo evergreen ou atemporal;

  • Personalização do conteúdo de acordo com sua audiência, por meio de pesquisas, das dúvidas manifestadas nos comentários ou nos e-mails ou outros canais de comunicação, assim como as curtidas e compartilhamentos que o conteúdo produz e que indicam os assuntos que fazem mais sucesso;

  • Produção de conteúdo original, autêntico e 100% próprio, para que não se recaia na recriminável condição de plágio de conteúdos.

7. Descuidar da manutenção e das atualizações

O tempo é implacável, especialmente quando falamos em tecnologia e Internet.

Novos recursos, novas ferramentas, novas tendências e com isso novas necessidades e desejos por parte dos internautas, fazem com que tudo mude o tempo todo.

Um site parado no tempo constitui um erro grave e pode acarretar vários problemas:

  • Deixar de estar compatível com todos os navegadores;

  • Parar de funcionar completamente porque algum recurso ou tecnologia usada tornou-se obsoleta ou mesmo desatualizado em termos de versões mais recentes;

  • Ficou vulnerável e inseguro;

  • Fora de conformidade com os padrões web e práticas recomendadas, como por exemplo, o uso de um certificado SSL, tão necessário hoje em dia, mas que nem sempre foi assim;

  • Dados e informações antigas e desatualizadas;

  • Links que deixaram de funcionar e links quebrados;

  • Aparência ultrapassada;

A lista de problemas pode ser bem maior, se é negligenciada uma manutenção periódica, bem como atualizar o site a fim de tornar a plataforma de gerenciamento mais atual, moderna, segura, bem como adição de recursos que atendam os anseios dos internautas.

Conclusão

A criação de um site é um processo que hoje está literalmente ao alcance de qualquer um. No entanto essa ampla acessibilidade cobra um preço de quem não tem a experiência necessária para fazer as coisas da melhor forma possível, acarretando erros diversos e consequentemente comprometendo os resultados possíveis de serem alcançados por um site verdadeiramente profissional.

Comentários ({{totalComentarios}})