­Marketing Digital: O que é, como fazer e muito mais

A Era da Informação trouxe consigo um cenário no qual o conhecimento e a atualização são fundamentais. A velocidade com que os conceitos antigos são ampliados ou mesmo modificados e novos ganham importância, é assombrosa.

Dentre esta avalanche de novos termos ou a ampliação de alguns velhos conhecidos, um tem sido frequentemente abordado: Marketing Digital. Você sabe o que é? Como se faz Marketing Digital? Estas e muitas mais questões serão respondidas neste artigo.

Nada melhor e mais óbvio do que começar pelo começo e assim, a pergunta mais frequente e natural seja:

O que é Marketing Digital?

De modo bem simples e direto, é o Marketing feito utilizando-se das mídias digitais e de suas características de alcance e resultados. Claro que há cuidados e particularidades que não permitem uma abordagem tão simplista, mas que vamos detalhar daqui em diante.

No começo do detalhamento do que é Marketing Digital, é necessário primeiro lembrar o que é Marketing apenas: o conjunto de processos que recebeu este nome e começou a ganhar importância na década de 60 graças a Theodore Levitt e que mais tarde viria a ser considerado o “Pai do Marketing”.

Você vai encontrar muitas definições, de famosos nomes da área, passando por outros não tão célebres. Acreditamos que o importante é estar claro para você que o papel do Marketing é “entender e atender as necessidades do cliente”, seja ele (cliente) apenas quem em algum momento demonstra potencial em consumir seu produto e/ou serviço, ou quem já o fez em algum momento no passado. Esta nos parece uma definição bastante boa, na medida em que é simples e dá uma ideia ampla do que é Marketing.

Assim, o Marketing é um vasto conjunto de atividades que têm por finalidade compreender o que uma pessoa espera, deseja e precisa em relação a tudo que ela consome, para então criar o produto / serviço correspondente com base nesta compreensão, promovê-lo e entregá-lo. Visto de outra forma mais objetiva, é orientar suas ações em busca do cliente satisfeito.

Quando o Marketing se tornou Digital?

Naturalmente não há uma data ou marco da “fundação” do Marketing Digital, mas na medida em que a tecnologia tornou-se mais e mais acessível, fazendo surgir e ampliar as mídias digitais, os profissionais de Marketing começaram a enxergar oportunidades de estreitar e ampliar seu relacionamento e conhecimento relativo aos seus clientes, de uma maneira muito mais dinâmica e ampla.

Portanto, a popularização da Internet e tudo em que ela se baseia, bem como o que proporciona, tornaram possível o Marketing “sair do papel” e romper fronteiras. Primeiro com a simples informatização das rotinas, para em um segundo momento, enxergar que as empresas estavam diante de uma mudança de comportamento de um consumidor desejoso de novas experiências e formas de se relacionar com absolutamente tudo.

Com a Internet as empresas puderam ouvir mais, melhor e mais rapidamente seus clientes, através de um novo e poderoso canal de comunicação, ou um conjunto deles. Enxergaram novas formas de comercialização. Alternativas de promoção. Ampliação da informação. Ganharam mais alternativas de relacionamento. Sobretudo, puderam identificar novas expectativas e comportamentos dos seus clientes.

Logo, foi a Internet que possibilitou o Marketing se tornar Digital.

O que muda com o Marketing Digital?

Talvez esta não seja exatamente a melhor pergunta, porque na verdade as bases do Marketing - seja aquele que era praticado por nossos avós ou o do século XXI, chamado de Digital - mantém-se inalteradas. O certo é perguntar: O que se ganha com Marketing Digital?

De fato, ainda estamos falando de Marketing da forma como ele foi concebido e princípios como os 4 P’s, ainda são o começo de tudo. Ou seja, Produto, Preço, Praça e Promoção, nunca deixarão de existir. A diferença é que agora dispomos de um amplo arsenal de novas ferramentas que vão nos ajudar no trabalho.

Um rápido e simples exemplo de como as ferramentas digitais impulsionaram o Marketing e os 4 P’s, pode ser:

  • Produto – agora é possível apresentar seu produto de novas formas e criar novas experiências sensoriais graças por exemplo, aos recursos de realidade virtual ou realidade aumentada.

  • Preço – na medida em que tecnologias como Internet possibilitaram o surgimento e crescimento vertiginoso de novos canais de comercialização - em que a loja virtual é o mais comum representante -, pode-se obter preços mais atrativos.

  • Praça – a globalização e o rompimento das barreiras geográficas proporcionados pela Internet, fizeram com que os limites de abrangência do seu produto / serviço, sejam bem menos restritos.

  • Promoção – na medida em que a Internet hoje está presente em cada ambiente que você frequenta e ao alcance de praticamente qualquer pessoa, 24 horas por dia, o limite de promoção do seu produto / serviço é apenas uma questão de criatividade e investimento.

A partir da avaliação acima, fica claro que os “4P’s” ainda estão aí, mas agora eles cresceram, evoluíram e podem se apresentar sob formas novas e criativas.

Qual a razão do sucesso do Marketing Digital?

Neste ponto e com base no pouco que abordamos, já é quase natural responder que a razão do sucesso, é a Internet. Mas é certo afirmar isso? Em parte sim. Na verdade, a Internet possibilitou novas formas de nos relacionarmos com nossos clientes e, sobretudo, de valorizar o quinto “P” do Marketing. Quinto “P”? Sim. Vamos entender melhor isso.

Nunca na história do homem, o dinheiro foi abundante, mas em alguns momentos econômicos ele foi mais escasso e foi justamente nestas ocasiões em que a disputa por clientes foi mais acirrada, já que percebeu-se que teriam uma vantagem competitiva aqueles que valorizassem a (P)essoa, por meio de qualidade daquilo que se entrega. Daí veio o quinto “P”, ou seja, a Pessoa.

E o que é a Internet atualmente senão um mundo virtual em que as pessoas têm novas experiências, relacionam-se, divertem-se, aprendem e vivem cada dia mais conectadas? Portanto, a tecnologia e a infraestrutura que compõem a Internet só faz sentido porque as (P)essoas usufruem de tudo que ela proporciona em termos de facilidades, benefícios, velocidade e novidades.

Sobretudo a novidade, é a grande alavanca da Internet. Quantos serviços passaram a existir só por ela? Quantos produtos tiveram aumentos vertiginosos de vendas? Quantas experiências novas ela nos proporcionou? Mas todas as novidades trouxeram consigo novas perguntas, resultado de um novo comportamento dos clientes.

O dilema do Marketing Digital

Há dilemas históricos e famosos, como “quem veio primeiro, o ovo ou a galinha?” ou ainda “é mais fresquinho porque vende mais ou vende mais porque é mais fresquinho?”. A Internet também apresenta um aparente dilema na forma como os clientes se relacionam com sua empresa e seus produtos / serviços: a Internet mudou a forma como as pessoas se relacionam entre si e com as coisas ou ela desenvolveu-se para suprir necessidades novas de relacionamento das pessoas?

A resposta ao nosso dilema, é mais simples que os dois primeiros. Em sua origem, a Internet já nasceu – na verdade foi criada – para atender necessidades especificamente militares e posteriormente enxergou-se aplicações comerciais nela. A partir de então, praticamente tudo que conhecemos em termos de ferramentas e aplicações baseadas na Internet, foi voltado a atender expectativas, desejos e necessidades.

Um bom exemplo, é a fotografia. Ela existe desde o século XIX, mas inicialmente era acessível a pouquíssimas pessoas. Em um segundo momento, com as primeiras câmeras portáteis, tornou-se mais popular. Os celulares com câmeras aumentaram ainda mais sua popularidade e fizeram nascer vários fotógrafos amadores.

Mas foram as várias aplicações que surgiram na Internet que tornaram possível que qualquer momento que você queira registrar, torne-se imediatamente acessível por qualquer um que esteja conectado à Internet, em uma rede social como o Instagram, por exemplo.

As fronteiras de tempo e espaço hoje são mínimas. O limite do que você quer e pode ter, também. Como atender toda essa imensidão de possibilidades que hoje estão ao alcance dos dedos dos nossos consumidores? O Marketing Digital pode lhe ajudar com isso. Mas para isso precisamos definir alguns conceitos.

Conceitos do Marketing Digital

Não é muito diferente do nosso velho conhecido, o Marketing. O que muda é a ampliação de alguns já conhecidos e alguns poucos novos, como consequência de características próprias das mídias digitais.

Persona – caracteriza o seu consumidor padrão ou ideal ou aquele a quem você quer direcionar sua atenção. A Persona é o conjunto das várias características comuns do seu público-alvo, permitindo que sua empresa crie ações dirigidas e mais específicas. Invariavelmente uma empresa pode ter mais de um persona, mas geralmente há produtos / serviços específicos para cada persona que você mira.

Leads – de maneira geral um lead é a parcela do público que apresenta potencial de compra e que algum momento e em alguma oportunidade de relacionamento, demonstrou interesse por sua marca, produto ou serviço, como por exemplo, quando ele preenche um formulário em seu site para receber sua newsletter.

Funil de Vendas – também conhecido como Pipeline, é o processo e também a ferramenta, pela qual consegue-se visualizar todo o processo de venda de um produto, desde a captação dos prospects até a conclusão da venda. Como a quantidade de pessoas em cada etapa vai diminuindo, a representação gráfica correspondente tem um formato de funil.

Landing Pages – são páginas que têm por objetivo captar leads, cujo conteúdo é criado para despertar atenção e interesse. Normalmente são utilizados métodos nos quais se dá algo (informação adicional, ofertas, trials, etc) e em troca você coleta informações dos seus leads para avançar no processo de vendas e ao mesmo tempo alimentar o seu Pipeline com informações.

SEO - (Search Engine Optimization) – ou simplesmente Otimização para Motores de Busca, é o conjunto de técnicas, métodos e estratégias empregados na elaboração de um site e seu conteúdo, com o objetivo que este site tenha um melhor posicionamento nos resultados orgânicos dos mecanismos de busca, como Google ou Bing.

CTA – é a sigla para call-to-action. Basicamente é composto pelos links ou recursos de uma página que incentivam os usuários a realizarem uma ação ou um simples clique. Seja para fazer o download de um ebook ou para se cadastrar em uma promoção, um CTA tem o objetivo de fazer o usuário evoluir em direção à conclusão da compra.

Fluxo de Nutrição – tem a função de direcionar o lead com informações relevantes que irão induzi-lo e conduzi-lo à compra do seu produto / serviço. É fluxo, porque consiste de uma sequência de ações com começo, meio e fim, ao longo das quais sua empresa fornece informações que devem ser ao mesmo tempo esclarecedoras e devem produzir interesse crescente, de forma que o cliente tenha vontade de avançar, nem que seja apenas por curiosidade.

Quais as vantagens do Marketing Digital?

Neste ponto você já sabe muito coisa e entendeu ou diferencia o Marketing que você fazia até então e o que precisa fazer a partir de agora. Mas objetivamente você pode nos perguntar: Por que eu devo fazer ou quais as vantagens do Marketing Digital? Então vamos tratar das principais:

  1. Necessidade – mais do que uma opção, hoje é uma necessidade que as empresas engajem-se nas práticas digitais. Marcar presença digital, não é mais apenas mais uma opção. Em muitos casos, abdicar disso, se não significar o fim dos negócios a médio e longo prazos, pode no mínimo impactar muito negativamente nos resultados que uma empresa pode conseguir.

  2. Personalização – as possibilidades de criação de campanhas e ações mais específicas para um público específico, são muito amplas. É mais fácil, mais rápido, mais barato e com resultados muitos melhores, quando se pode ter ações com foco em uma persona bem definida.

  3. Potencialização – vem da viralização. Se uma peça promocional for original, criativa e bem feita, seu público voluntariamente irá trabalhar para você, compartilhando e potencializando seus resultados.

  4. Mensuração – há uma infinidade de métodos e ferramentas para medir os resultados de tudo que você faz na Internet, em tempo real. Com isso, é possível se avaliar o retorno de todas as ações adotadas, bem como é possível se fazer ajustes e até mudanças de direção das ações, apenas com base nas métricas obtidas.

  5. Custo – ações que no passado representavam grandes volumes de investimento, hoje podem ser feitas por empresas de diversos portes, a valores bastante inferiores e atrativos. Na verdade, um profissional independente pode literalmente vender para o mundo todo.

  6. Interatividade – o Marketing tradicional sempre colheu dados por meio de pesquisas, mas isso levava tempo e o espaço amostral era restrito. Com o Marketing Digital, a pesquisa de satisfação ou qualquer outra, pode ser muito mais ampla, rápida e completa. Além disso, há ferramentas que permitem que seu cliente voluntariamente se manifeste quanto e quando quiser.

Como faço Marketing Digital?

Neste ponto, você já sabe o que é e porque não pode prescindir dele. Chegou a hora de arregaçar as mangas e colocar as mãos na massa. Não se preocupe, pois não é difícil. Se você já faz alguma ação de Marketing, então a questão agora é usar os meios digitais para alavancar seus resultados, bem como usar as ferramentas que a Internet lhe oferece. Lembra o que diferencia Marketing “tradicional” do Digital?

O leque de opções que você tem à disposição é amplo e, portanto, você tem que ir gradativamente implantando um a um. Não queira abraçar o mundo de uma só vez. É importante que tudo que for feito, seja com consciência dos porquês, qualidade na forma e conteúdo e na mensuração dos resultados.

Vamos listar a seguir cada uma das alternativas que você tem, lembrando que muitas vezes há ações que são complementares e uma potencializa os resultados da outra. Quanto mais ações você adotar e mais integradas elas forem, melhores as chances de colher bons resultados:

Marketing de Conteúdo

Basicamente consiste de produzir conteúdo importante, completo e atualizado relativo aos produtos e serviços que você comercializa, bem como das suas marcas e até mesmo da empresa. Na medida em que você tem muita informação em relação a um determinado assunto e este conteúdo é indexado pelas ferramentas de busca, aumentam as chances de você ser encontrado quando uma busca é feita.

Digamos que você venda açúcar. É um produto simples e que todos consomem. Que tipo de conteúdo pode estar relacionado a ele? Em um rápido exercício de quais possibilidades existem, você pode imaginar textos sobre a história do açúcar, valores nutricionais, receitas que fazem uso do produto, dúvidas frequentes, mitos e verdades sobre o consumo de açúcar, entre outras alternativas e assim, sempre que alguém pesquisar sobre açúcar, haverá tantas oportunidades de encontrar o conteúdo que você criou e mantém, quanto possibilidades você imaginou.

Mais do que simplesmente levar potenciais consumidores ao seu site, cada vez que uma visita acontece, você aumenta as chances de seu produto e sua marca serem lembrados quando se pensa nesta commoditie tão simples e comum como é o açúcar.

A imagem da sua empresa também passa por um processo de construção na mente dos consumidores, os quais devem ver todo o seu trabalho, com bons olhos. Isso faz parte do que conhecemos como Branding

Ao listar todo conteúdo que é possível criar sobre um produto ou serviço que você comercializa, se identificar que ele é amplo e dinâmico, você pode criar um blog sobre o assunto, como por exemplo, um blog de receitas doces. Esse é certamente um tema inesgotável em termos de conteúdo possível e altamente atrativo. Há alguma dúvida do quanto pode atrair potenciais consumidores?

SEO (Search Engine Optimization)

Simplesmente produzir conteúdo para um site ou blog, não trará todo o resultado que você pode ter, se este blog não for acessado e não constar bem posicionado nos resultados das buscas. Um dos principais fatores para ter um site com um bom ranqueamento, é fazer um trabalho permanente e bem feito de SEO.

Em linhas gerais, o trabalho de SEO consiste em trabalhar palavras-chave dentro do conteúdo do site. O que são palavras-chave? É o conjunto de todas as palavras que têm relação com o tema principal, bem como sinônimos que são usados com frequência nas pesquisas das ferramentas de busca.

No nosso exemplo do blog de receitas doces, exemplos de palavras-chave que certamente irão constar nas pesquisas sobre açúcar, devem aparecer: receitas, pratos doces, bolos, açúcar mascavo, açúcar demerara, açúcar cristal, açúcar de confeiteiro, etc. Portanto, toda a lista de palavras que têm relação com o tema açúcar, deve fazer parte do conteúdo que você criou para o blog.

É importante destacar que um bom trabalho de SEO, vai bem além de trabalhar palavras-chave e hoje há até mesmo empresas e profissionais especializados no assunto, tamanha a importância que tem, bem como o amplo conjunto de técnicas adotadas para produzir um bom resultado.

E-mail Marketing

Como o nome sugere, e-mail Marketing é todo envio em que você realiza ações de Marketing utilizando o e-mail como meio. Exemplos de ações que são classificadas como e-mail Marketing, são envios de e-mails promocionais ou lançamentos, enviados aos seus leads e clientes.

O assunto é bastante amplo e fazer e-mail Marketing exige conhecimento e alguns cuidados para que os resultados não se revertam. O principal cuidado, é utilizar práticas adequadas para que seus e-mails não sejam classificados como SPAM e para tanto, primeiro você deve utilizar boas ferramentas de disparo e em segundo, estar certo de que a forma como está efetuando os envios é apropriada.

Para ter certeza de que o envio é feito de forma adequada, veja se todos os seus procedimentos estão de acordo com o Código de Autorregulamentação para Prática de E-mail Marketing, ou simplesmente, CAPEM. Ninguém gosta de receber SPAM e se suas mensagens não estiverem dentro de padrões e não atenderem boas práticas, a imagem da sua empresa, produto e serviços, podem ser prejudicados.

Outro ponto vital para obter bons resultados do e-mail Marketing que você envia, são suas listas. No plural mesmo? Devo ter mais de uma? A não ser que seu negócio seja muito específico e você tenha como alvo apenas uma Persona, as suas listas devem ser separadas pelo agrupamento das características de cada grupo de potenciais consumidores, ou das diferentes personas, afinal você não quer mandar nada sobre açúcar refinado para alguém que só consome produtos orgânicos, não é?

Redes Sociais

Nada na Internet atualmente tem a força e o poder de penetração das redes sociais. Quantas e quais pessoas que não acessam diariamente uma ou mais redes? Na verdade, os dispositivos móveis - tablets e smartphones – favoreceram o acesso contínuo destas mídias.

Assim, não estar presente em pelo menos uma delas ou nas principais, representa uma grande perda de oportunidades de comunicação da sua marca e empresa com seus clientes e aqueles que têm potencial para serem. Pelas características - mais do que um canal de comunicação com seus clientes - as redes sociais são um meio de se fazer Marketing de Relacionamento.

No entanto, ao decidir por ingressar nas redes sociais, a empresa deve ter bem claro sua ou suas Personas, já que a linguagem usada precisa estar de acordo com os perfis de consumidores com os quais ela quer se relacionar.

Nas redes sociais, mais do que em qualquer outra mídia digital, o conhecimento profundo de como pensa e do que quer o seu público-alvo, é fundamental, já que é onde as pessoas sentem-se mais a vontade para manifestar suas expectativas, desejos e necessidades.

Outro cuidado importante, refere-se a como a empresa utilizará as redes sociais. Se por exemplo, a empresa começar a utilizar sua página no Facebook para esclarecer dúvidas de seus produtos / serviços, os clientes e potenciais consumidores assumirão que se trata de um canal de atendimento ou suporte. Portanto, deve-se avaliar cuidadosamente o comportamento e as ações da empresa, quando marcar presença nas redes sociais.

Links Patrocinados

Os links patrocinados consistem de uma das ações possíveis de Marketing Digital, mais antigas e mais usadas. Toda vez que você efetua uma pesquisa em uma ferramenta de busca, são exibidos uma série de resultados que incluem os chamados resultados orgânicos e os links que são pagos e são posicionados em áreas específicas na página. Estes são resultados dos links patrocinados e são administrados pela ferramenta chamada Google Ads.

O sistema é bastante simples e segue a ideia de que as pessoas quando buscam alguma coisa, utilizam nas pesquisas algumas palavras que são normalmente as mais comuns ou que vêm à mente frequentemente (Top of Mind) quando se quer algo. São as palavras-chave ou as principais palavras relacionadas a um tema, produto ou serviço.

Portanto, ao mesmo tempo há que se fazer um trabalho de incluir no Google Ads as palavras mais comuns associadas ao conteúdo do seu site, bem como produzir um conteúdo completo, abrangente, de qualidade e relevante. Aqui há uma conexão com o seu trabalho em relação ao Marketing de Conteúdo, sem o qual os resultados nos links patrocinados, podem ser comprometidos. Lembra do nosso “case do açúcar”?

Inbound Marketing

Diferentemente do e-mail Marketing ou do SEO, que são ações bem claramente definidas, individuais e específicas, o Inbound Marketing na verdade é caracterizado por ser resultante de um conjunto de outras ações.

Ao nos referirmos a ele por seu equivalente em português (Marketing de Atração), é mais fácil entender o que é, já que o conjunto de tudo o que você faz para atrair seus leads, compõem o Inbound Marketing e fica claro que ele não consiste de uma, mas muitas ações combinadas e estrategicamente estudadas.

Quando se sabe que ele se baseia fortemente em bons trabalhos de SEO, Marketing de Conteúdo e ações em Redes Sociais, este caráter múltiplo fica mais evidente e assim o objetivo é trabalhar nestas três frentes de Marketing Digital para fazer com que os clientes queiram ou precisem saber mais sobre um assunto específico.

Para tornar o conceito mais claro e concreto, em nosso exemplo do açúcar, criar conteúdo claro e completo dos aspectos nutricionais de diferentes tipos de açúcar que sua empresa comercializa, produzir uma lista das palavras-chaves relacionadas e apresentar tudo isso de uma maneira criativa, útil e relevante nas redes sociais, é uma maneira de fazer Inbound Marketing.

Em tempos em que as pessoas preocupam-se mais com questões relacionadas a saúde e a qualidade dos produtos, você consegue perceber o quanto um conteúdo bom, explicativo e criativo pode gerar compartilhamentos em uma rede social?

O que mais preciso fazer?

As ações acima representam as mais comuns e que ao mesmo tempo é o mínimo que se faz quando o assunto é Marketing Digital, porém é apenas o início do trabalho.

Quando bem feitas as ações e consolidados os resultados, é momento de se considerar a ampliação da atuação e do uso de outras ferramentas do Marketing Digital que são destinadas a obter resultados mais específicos, como por exemplo, banners em sites frequentados pelo seu Persona. Este é apenas um exemplo, mas que é suficiente para mostrar quantas possibilidades você dispõe.

Mas independente do fazer e como fazer, é sempre importante que os resultados obtidos com tudo possam ser quantificados, qualificados e avaliados, de modo a poder medir tanto quanto for possível, o retorno sobre o investimento (ROI). Sem um conjunto de ferramentas para mensurar os resultados, você não será capaz de corrigir o que não vai tão bem ou potencializar o que lhe traz bons resultados.

Gostou do artigo? Deixe seu comentário e compartilhe com seus amigos.