O que é SEO? Como aparecer no Google em 2021?

Como eu faço para meu site aparecer no Google?

Essa é a pergunta mais frequente que quase todos que criam e publicam seus sites, fazem.

Ou seja, é sabido e consensual por parte da maioria, que é importante ter seu site constando do Google – e também de outros mecanismos de busca – para pesquisas relacionadas ao ramo de atuação.

A resposta é simples – SEO!

O problema é que essa resposta geralmente esclarece pouco – ou nada – sobre o que de fato precisa ser feito.

Se você quer saber tudo sobre SEO e como ele pode finalmente dar visibilidade ao seu negócio na Internet, não deixe de ler este artigo até o final!

O que é SEO?

SEO ou Search Engine Optimization (Otimização para motores de busca), refere-se a um conjunto extenso de ações que devem ser adotadas, a fim de que seu site apareça bem posicionado nas páginas de resultados dos sites de busca, como o Google.

Essas ações – as quais você verá ao longo desse artigo – representam o que é avaliado pelos mecanismos de busca para classificar os sites que respondem melhor às perguntas feitas pelo usuário no buscador.

Fica mais fácil compreender o que precisa ser feito, quando se pensa em qual é o negócio do Google e de outros mecanismos de busca: Informação de qualidade!

Mais do que isso, a razão do sucesso do Google, é entregar aquilo que você quer saber, logo nos primeiros resultados.

Embora você tenha até centenas de milhares de possibilidades, você não quer navegar por 10, ou mesmo 5 páginas de resultados até encontrar o que busca, não é?

De fato, boa parte das pessoas que buscam alguma coisa, encontram as respostas logo na primeira página do Google e com isso não têm que visualizar ou mesmo clicar nos resultados das páginas seguintes.

É por isso que o Google é o gigante das buscas. Para que usar outra ferramenta, se essa me economiza tempo e trabalho?

Parte desse sucesso, vem da constante evolução do seu algoritmo, o qual envolve uma extensa lista de fatores de ranqueamento, que possibilita que os resultados sejam exibidos começando pelos que tem a maior probabilidade de serem o que você busca e com melhor qualidade em termos do conteúdo específico e relacionado.

Portanto, todo mecanismo de busca procura ser tão inteligente quanto é possível na avaliação de todo o conteúdo que ele indexa, classifica e exibe na página de resultados, para lhe entregar informações tão precisas e boas quanto você esperava ao efetuar a pesquisa.

Por outro lado, cabe a quem produz conteúdo para seu site, conteúdo para o blog, ou mesmo para a loja virtual, preocupar-se com a relevância, abrangência, utilidade e organização deste conteúdo, por meio da adoção de estratégias de SEO, que farão com que o Google “saiba” que seu conteúdo é aquele que o usuário procura.

Qual a importância do SEO no ranqueamento do site?

Quando buscamos algo no Google usamos uma frase ou palavras que se referem àquilo que buscamos.

Por exemplo: “como fazer pão italiano?”. Nessa busca, as palavras mais importantes, são: “pão” e “italiano”, concorda?

Pois bem. A isso dá-se o nome de palavras-chaves e que no caso, são duas.

Rigorosamente, a palavra-chave – ou palavra mais importante – é pão. No entanto, ao digitar italiano no campo de pesquisa, a inteligência artificial do mecanismo já entende que deve desconsiderar os resultados que não contenham a palavra “italiano”, embora na prática e devido a outros fatores, resultados sem o segundo termo possam aparecer.

Suponhamos que uma padaria queira vender pão italiano. Nesse caso, ela deve trabalhar conteúdos usando esse termo, de modo que o seu site seja encontrado quando alguém demonstrar interesse por pão italiano.

No entanto, se em vez de “pão italiano”, no site da padaria constar apenas “pão”, no resultado da busca por “pão italiano”, o site da padaria não tem chances de ser exibido nas primeiras páginas de resultados dos motores de busca, pois o termo “italiano” dá relevância e semântica ou significado diferentes à palavra pão.

Os motores de buscas entendem que este site não oferece uma resposta satisfatória para aqueles que estão buscando informações sobre essa busca específica.

Mais que isso, em variações sutis, mas importantes da pesquisa, se tivermos: “receita de pão italiano” e “onde comprar pão italiano”, por mais que as palavras “pão” e “italiano” sejam trabalhadas de todas as formas possíveis, é improvável que a padaria conste listada nos resultados da busca para a primeira pesquisa, exceto se ele tiver um blog com a “receita” do pão buscado e a palavra receita também apareça, a qual neste exemplo, é também palavra-chave e, portanto, tem relevância.

Mas não para por aí!

Ainda utilizando as alternativas de pesquisa acima, caso a padaria tenha além do site, um cadastro no serviço Google Meu Negócio, todas as pesquisas feitas usando o segundo exemplo – onde a palavra-chave “comprar” tem importância – e nas quais o usuário tem proximidade geográfica com a padaria, retornarão um resultado em que a padaria é listada.

Terminou? Ainda Não! Há vezes em que o uso das chamadas palavras-chaves de cauda longa ou long tail keywords, pode fazer toda a diferença.

Quer um exemplo?

“Pão italiano na Móoca”. Se algum morador do bairro da Móoca – reduto italiano em São Paulo – ou nas proximidades, faz uma pesquisa procurando um lugar para comprar o produto, é provável que inclua o bairro na busca e aqueles que tiverem o termo Móoca, tendem a aparecer mais bem colocados.

Nesse caso, volta a ter importância o Google Meu Negócio, mesmo que a localização geográfica do usuário não corresponda ao bairro em questão, afinal ele pode estar fazendo a pesquisa de um outro local, entre outras possibilidades.

Esse é um exemplo simples, mas real e que ilustra a importância de entender SEO para tirar proveito dos sites de pesquisa, alcançando a visibilidade que um negócio almeja ter.

Tudo isso que vimos até aqui – e que é pouco – faz parte do trabalho de otimização para motores de busca.

Como funcionam os motores de busca?

Os motores de busca basicamente compreendem o conjunto de tecnologias que Google, Bing e outras ferramentas utilizam para capturar, armazenar e organizar para uso, a informação nos diferentes sites existentes.

Compreender como funcionam, é fundamental aplicar melhor as técnicas de SEO e consequentemente para atingirmos nossos objetivos.

O trabalho começa com a “leitura” dos sites por parte do Google ou do Bing. No caso de sites novos ou que tiveram páginas e respectivas URLs alteradas, começa-se com o envio do sitemap para o Google Console ou Webmaster Center, no caso do Bing.

Não é obrigatório, mas é muito importante o envio do sitemap, pois abrevia muito o tempo para que o Googlebot e o Bingbot façam a varredura do conteúdo de cada uma das páginas e as indexe.

Sem um sitemap, é preciso algum ponto de partida, ou seja, ao menos uma página a partir da qual o robô pode encontrar links para outras páginas, como no menu e demais links no conteúdo.

Eis um ponto que diferencia a leitura por parte de um robô de internet, daquela que nós fazemos, pois os robôs são capazes de ler e reter vários tipos de informação e considerar suas características, como por exemplo, os títulos, os textos alternativos e até mesmo se uma determinada palavra-chave aparece em uma tag de título (h1, h2, h3, etc) do HTML, o que para nós é irrelevante ou passa desapercebido.

Uma vez lido e categorizado todo o conteúdo, ele é indexado. A indexação é o processo de armazenamento nos bancos de dados do buscador, de acordo com a relevância dos conteúdos, das palavras-chaves e outras informações que vão servir para o ranqueamento.

Por fim, a etapa que interessa a maioria que faz o trabalho de SEO, vem o ranqueamento e que vai ajudar a determinar a posição nas SERPs (Search Engine Results Page) ou página de resultados dos motores de busca, para as pesquisas que são feitas.

Os melhores conteúdos, os mais ricos, os mais relevantes segundo os critérios do buscador, são exibidos primeiramente.

Como fazer o trabalho de SEO?

Agora que você já sabe em parte como acontecem as coisas para que uma página de resultados seja exibida, resta-nos tratar das ações que nos cabem adotar a fim de “contribuir” para que o Google ou qualquer outra ferramenta considere nosso conteúdo mais relevante para uma série de possíveis buscas relacionadas aos temas que tratamos.

É importante salientar que aplicar SEO, é como muitas outras coisas, como por exemplo, cozinhar.

O resultado final depende de como manipulamos os ingredientes, a qualidade deles, os tempos, temperaturas e os processos. Se alguma coisa não funciona bem, o prato pode não ficar tão bom. Tão melhor o resultado, quanto tão melhores forem cada uma das partes.

Analogamente em SEO, há ações que potencializam os resultados de outras, há as que dependem de outras ou influenciam terceiras.

Outro ponto que merece destaque, é que um trabalho que não tem fim. Ele é permanente, pois os conteúdos concorrentes ao seu mudam, novos sites e conteúdos surgem, bem como o algoritmo dos buscadores também muda permanentemente.

O eventual sucesso de ontem, não garante o de amanhã!

Por fim, mas não menos importante, não é nossa intenção esgotar o assunto, primeiro porque ele é extremamente rico, amplo e evolui constantemente conforme evoluem também as ferramentas de busca e em segundo, porque decorrente dessa riqueza, há temas que merecem literalmente um livro a respeito.

Marketing de Conteúdo

O Marketing de Conteúdo, é o Marketing feito tendo como “matéria-prima” o conteúdo, ou ainda em outras palavras, visando atender necessidades, desejos e expectativas dos visitantes em termos de conteúdo.

É dos pontos mais importantes associados ao SEO, já que sem conteúdo de qualidade, verdadeiro, amplo, claro, objetivo, o trabalho de otimização para mecanismos de busca fica muito difícil, afinal é disso que o Google e demais estão atrás.

Quanto maior e melhor o conteúdo, mais e melhores possibilidades para aplicação de técnicas de SEO. Assim, o Marketing de Conteúdo não é uma técnica de SEO, mas este depende daquele para ser melhor conduzido.

Mas não é só por isso que é importante. Há pontos em que as ações com vistas ao conteúdo, confundem-se com as que objetivam SEO, afinal ambas têm objetivos comuns – bom posicionamento para buscas orgânicas.

Entre os muitos desdobramentos que o tema envolve, podemos citar os tipos de conteúdo, técnicas para produção de conteúdo (brainstorming, copywriting, storytelling), linguagem e terminologia utilizados, planejamento de conteúdo.

A lista de assuntos relacionados e que são determinantes na produção de conteúdo, é bem mais ampla que os aspectos que mencionamos e que variam por exemplo, de acordo com o tipo de site.

Hospedagem de sites

A hospedagem de site é muito importante no SEO e que muitos acabam negligenciando - confira o artigo para ajudar você escolher a melhor empresa de hospedagem.

Imagine a dificuldade que um “site fora do ar” em horários de pico, terá para fidelizar um usuário. O mesmo vale se um site está lento. Ambas são situações que fazem com que os visitantes optem por sites estáveis e rápidos, afinal a Internet é repleta de alternativas ao seu site.

E o Google leva muito em consideração ambos aspectos, ou seja, sites inacessíveis ou lentos são penalizados, especialmente se essa é uma condição frequente.

A empresa de hospedagem de site deve fornecer uma infraestrutura confiável e condizente com suas necessidades, alternativas de planos que possam atender os requisitos do seu site, como por exemplo, planos de hospedagem WordPress, que atualmente é o CMS mais usado como plataforma de criação e manutenção de vários tipos de site.

Entre as muitas vantagens de uma infraestrutura adequada de hospedagem, você conta com ferramentas – como os plugins no caso do WordPress – que ajudam muito no trabalho de SEO.

Assim, a escolha da hospedagem não propriamente uma ação de SEO, mas sem uma adequada, os resultados podem estar ameaçados.

Link building interno

Como mencionamos anteriormente, o sitemap é o ponto de partida para os robôs dos buscadores, mas os links que existem em cada página do seu site, também são fundamentais para que eles cubram todo o conteúdo.

Para além disso, o internauta que acessa uma página, vindo de uma SERP e que é “convidado” a consumir outros conteúdos do mesmo site, reduz as taxas de rejeição, permanece mais tempo no site, tem maiores chances de retornar e tudo isso contribui para melhoria do conceito do site perante o buscador.

Esse é outra razão de ser dos links internos.

Links internos também ajudam a educar os visitantes, na medida em que abrem portas para fornecer informações de temas relacionados, favorecendo a melhoria nas taxas de conversão.

Se por exemplo, o visitante veio por uma receita de pão caseiro, mas você tem um artigo que fala sobre fermentos e leveduras, pode inserir o link correspondente na receita. Um outro sobre temperatura dos fornos, tipos de farinha, tempo de crescimento da massa, também. E assim por diante.

Ao fazer este tipo de trabalho, criando links que relacionem um determinado conteúdo aos demais, você dá relevância ao conteúdo que o visitante acessou e perante os mecanismos de busca, seu conteúdo também acaba sendo melhor classificado.

Tags de títulos

Lembra-se que dissemos que os mecanismos de busca leem os sites de uma forma diferente da lida pelos visitantes?

Mais do que simplesmente o conteúdo, eles leem os códigos que foram usados na construção desses sites. Por isso, os títulos dos conteúdos têm um papel importante e, se você quer saber o que é SEO e como ele pode ajudar sua empresa, você deve se lembrar disso.

Estamos falando dos títulos internos ao texto, desde o título de abertura, no topo do artigo ou do post, até os subtítulos que aparecem ao longo do texto e que determinam tópicos, assuntos relacionados, seções do texto.

Quando você coloca em seus títulos termos estatisticamente relevantes, isso reforça para os sites de busca que o seu site pode ser uma opção para responder às dúvidas dos usuários.

O título tem tanta importância quanto na matéria de jornal, ou mesmo na redação que fazíamos na escola. Ele exprime – ou não – a essência do conteúdo que temos a seguir.

Tendo isso em mente e voltando ao nosso exemplo do pão, qual título a seguir é o mais indicado em um blog da nossa hipotética padaria? “Aprenda a fazer pão italiano!” ou “Que tal aprender esse delicioso pão”? Nesse caso, está claro que o primeiro é o mais atraente e sugestivo.

Os subtítulos são igualmente importantes, pois eles tornam a leitura mais agradável, agregam uma estrutura e lógica e reforçam aos mecanismos de busca a relevância de sua página para o termo pesquisado, sobretudo quando os subtítulos contém palavras-chaves que se associam de forma importante com os termos principais e/ou que respondem outras perguntas que os usuários costumam fazer.

Continuando com panificação, possíveis subtítulos que potencializam as palavras-chave, são: “Como ter um pão italiano sempre crocante”, “como guardar seu pão italiano”, “quanto tempo dura o pão italiano”. Ou seja, perguntas e as respectivas palavras que dão outros significados ao pão italiano e que também são dúvidas comuns de quem busca receitas.

Tag title ou título meta

Diferente do título que aparece no início de um post ou artigo, esse é o título que aparece nas SERPs e que necessariamente não é o mesmo.

Muitas vezes é com base no que o usuário lê nesse título das páginas, que ele decide se clica no seu resultado, ou no que vem a seguir.

Deve-se evitar títulos longos, sendo ideal que ele tenha até 67 caracteres, que é o limite que é exibido – o restante é truncado – e que consegue ser lido inteiramente pelos usuários.

Além disso, ele deve ter boa legibilidade e preferencialmente conter as palavras-chaves mais importantes.

Títulos que contenham palavras usadas nas pesquisas mais comuns e que evidenciam o que é tratado, ajudam muito.

Assim, o nosso dono de padaria, deve ouvir muito perguntas como: “O que é fermentação natural?”, ou “Qual a diferença entre fermento químico e biológico?”. Logo, títulos exatamente como estes, devem trazer um bom contingente de visitantes, pois é provável que se façam exatamente tais perguntas, nas pesquisas no Google.

Meta Description

Quando pesquisamos algo no Google, ele nos oferece um pequeno resumo do conteúdo. A esse resumo damos o nome de Meta Description.

Essa breve introdução do assunto, juntamente com o título meta, é usada pelo usuário para decidir se vai ou não visitar o site.

Nesse caso, a dica é pensar com a cabeça do internauta e escrever um texto que demonstre que ele encontrará o que procura.

Descrições suficientemente boas, devem dar uma noção do conteúdo encontrado, mas ao mesmo tempo devem estimular o interesse do visitante em ler o restante do conteúdo. Afinal, porque o usuário clicará no link se tudo o que ele quer saber já consta na descrição?

É quase um aperitivo!

Embora não seja a mesma coisa e nem use o mesmo princípio em termos de linhas de código, mas tem o mesmo propósito, temos também os rich snippets, que podem fornecer informações adicionais e de alta relevância, as quais podem ser decisivas para receber um clique do usuário.

Featured Snippets

Os featured snippets são também conhecidos como posição zero do Google. Não porque valham zero, mas porque aparecem antes do primeiro resultado orgânico.

Geralmente são resultados com destaque tanto em termos visuais, como também costumam responder de maneira resumida e direta a pergunta feita. Pode ser uma definição, por exemplo.

Ele também é um resultado clicável como os demais, porém já responde a pergunta do usuário na própria página de resultados.

SEO On Page

Basicamente o SEO pode ser separado em SEO On Page e SEO Off Page.

Muito do que vimos até aqui, é o chamado SEO On Page, ou seja, um conjunto de ações que são adotadas exclusivamente por parte do responsável pela administração do site e que são aplicáveis diretamente no site, ou de modo mais rigoroso, nas páginas do site e que afetam o ranqueamento.

As otimizações on page objetivam a intenção de busca do usuário, respondendo tão bem quanto possível, às perguntas mais frequentemente feitas.

Com a atualização Google BERT, o Google deve priorizar ainda mais a intenção e a linguagem natural, fazendo com que seja ainda mais importante saber que perguntas responder, como apresentar a informação e sua diversidade.

Seo Off Page

SEO Off Page, é o conjunto de ações que referem-se ao que ocorre fora do site e de suas páginas, ou seja, em outros sites, blogs, redes sociais e outros tipos de site e em que constem referências ao seu site.

Diferentemente do SEO On Page, em que as ações estão integralmente sob seu controle, no SEO Off Page geralmente você tem controle nenhum.

Está intimamente relacionado à obtenção de backlinks ou link building externo.

Está também vinculado a fazer um bom trabalho de Marketing de Conteúdo, tornando seu site uma referência nos temas aos quais se propõe abordar, a realização de guests posts e parcerias, Marketing de Afiliados, entre outras ações.

Experiência na Página

A experiência na página é um claro indicador do quão importante é o usuário na determinação do ranqueamento.

Ao longo de 2021, esse passa a ser oficialmente um fator decisivo para o Google posicionar conteúdos nas suas páginas de resultados.

Como o nome sugere, páginas que oferecem experiências agradáveis, proveitosas, fluídas, tendem a ser avaliadas de forma melhor.

No entanto, isso pode parecer um tanto subjetivo, afinal o que pode ser agradável e útil para uns, pode não ser para outros. Por essa razão o Google vai utilizar alguns indicadores como por exemplo, desempenho no carregamento do conteúdo das páginas e se a página é mobile friendly, ou seja, o quão ela é adequada a mecanismos de busca.

Mobile vs Responsivo

Consequência direta do item anterior, cada vez mais é determinante pensar em sites que são pelo menos responsivos, ou seja, que se adaptam para diferentes tamanhos de tela.

Mas desde 2017, sites que oferecem versões mobile, têm ganho alguns importantes pontos em relação aos que são apenas responsivos.

Desnecessário dizer que aqueles não oferecem nenhuma das duas opções, tendem a despencar muitas posições em termos de posicionamento.

Felizmente, os melhores e mais populares CMSs já contam com ferramentas e plugins que tornam o trabalho de criação de ambas alternativas, muito simples.

Google Meu Negócio

O Google Meu Negócio, é um serviço gratuito que permite obter um ótimo posicionamento orgânico em algumas situações.

Dependendo do tipo de negócio e combinado com os rich snippets, pode trazer ótimo retorno.

O nosso hipotético dono de padaria, de outros exemplos que usamos, é um candidato obrigatório a usar esse serviço.

Conclusão

SEO (Search Engine Optimization) ou Otimização para Motores de Busca, é o trabalho que visa produzir um bom posicionamento nas buscas orgânicas, por meio da adoção de uma série de técnicas e princípios na produção de conteúdo para os sites.

Comentários ({{totalComentarios}})