Redes Sociais

Facebook, Instagram e WhatsApp fora do ar! Como não ser afetado?

Com o passar dos anos, as redes sociais deixaram de ser apenas canais para se relacionar com os conhecidos. Já há um bom tempo, empresas de todos os portes e segmentos, ou mesmo autônomos e profissionais liberais, têm usado as mídias sociais para trabalho e fazer negócios.

Mas pela segunda vez em 2021, uma grande pane deixou Facebook, Instagram e WhatsApp fora do ar!

E agora? O que fazer?

Especialmente no caso dos pequenos negócios, o impacto causado pela paralisação vai ser grande. Saiba que há como não ser afetado ou pelo menos não ficar 100% refém diante de uma situação como essa.

Por que usar as redes sociais para fazer negócios?

Entre as principais justificativas para usar as redes sociais para fazer negócios ou como ferramenta de trabalho, estão:

  • Baixo custo, representado muitas vezes apenas pelo tempo dedicado a usar os recursos das redes;

  • Quando é necessário algum investimento, costuma ser acessível e pode ser dimensionado de acordo com a disponibilidade de recursos;

  • O fato de muitas pessoas terem uma conta nas principais redes sociais;

  • A familiaridade e intimidade com o funcionamento das mais populares;

  • Fornecedores e parceiros também aderiram.

Desvantagens de usar as redes sociais

Porém nem tudo são flores! A pane ocorrida neste 4 de outubro e que é a segunda de grande alcance em 2021, é apenas uma das desvantagens.

Apesar de contarem com infraestruturas gigantes e com elevados níveis de investimento para tentar evitar que situações como essa ocorram, a prática tem demonstrado que não estão isentos de erros de procedimentos, de configuração e nem mesmo ataques cibernéticos, como qualquer outro site ou serviço.

Em 14 de dezembro de 2020, foi a vez do Google, Gmail e YouTube, além de outros serviços da empresa de Mountain View. Mas não foi a primeira vez e provavelmente não deve ser a última.

Para além de problemas de ordem técnica, basear seu negócio estritamente em uma rede social qualquer, coloca-o 100% dependente das decisões, mudanças e políticas determinadas pelas empresas responsáveis por elas.

Se amanhã ou depois, qualquer uma delas resolver mudar qualquer aspecto de suas políticas, ou mesmo ela toda, não há nada que se possa fazer.

Por fim, ao contrário de um serviço pago, pode-se até reclamar, mas não há qualquer tipo de garantia, ou direito assegurado. Também não há de quem cobrar um ressarcimento por perdas de quaisquer naturezas.

Nem mesmo há liberdade plena para qualquer ação que uma empresa ou profissional julgue necessária para expansão do seu negócio. O limite do que fazer não está sob suas mãos.

Como não ser afetado pelos problemas das redes sociais?

Você já ouviu que não se deve colocar todos os ovos na mesma cesta?

Pois bem, basear seu negócio na Internet apenas nas redes sociais, é “colocar todos os ovos na mesma cesta”!

Não é porque alguns problemas possam ocorrer, que se deve abandonar as redes sociais. Há vantagens inegáveis e abrir mão delas por conta das falhas que têm acontecido e que certamente acontecerão em algum momento futuro, não é a solução.

Criar uma presença digital ampla e eficaz, significa diversificar.

Ter um site institucional, ou uma loja virtual e os respectivos canais de atendimento que são possíveis, como por exemplo um chat de atendimento, bem como alternativas diversas e essenciais aos clientes, é hoje extremamente acessível a todo mundo.

A partir de pouco mais de R$ 0,50 / dia, é possível ter um plano de hospedagem de sites que permite construir uma série de alternativas de negócios na web. E o valor pode ser ainda menor, dependendo da periodicidade de pagamento e das promoções eventualmente disponíveis.

E até mesmo ter que investir o dobro ou o triplo disso, não é motivo suficientemente bom para perder um cliente que foi para o concorrente, apenas porque ele dispunha de alternativas que você não tem.

Vantagens em ter um site próprio

A partir do momento em que o empresário ou mesmo o freelancer conscientiza-se de que é preciso ampliar sua presença digital para não ficar totalmente dependente de terceiros, uma série de vantagens são conseguidas:

Maior visibilidade e alcance

Com a profusão de informações gratuitas relacionadas a Marketing Digital e SEO, bem como assuntos relacionados, aparecer nas buscas orgânicas do Google e até mesmo do Microsoft Bing, é algo que está ao alcance de muita gente.

Ter um domínio próprio, um tipo de site qualquer associado a ele, variedade de informações sobre a empresa, sobre o negócio e alternativas de atendimento, tudo isso fora de uma plataforma de rede social, amplia os horizontes e possibilita à empresa ser vista por um público ainda maior.

Sem contar que embora, muita gente esteja presente nas redes sociais, há aqueles que não estão nas mesmas em que seu negócio está e até mesmo há quem não esteja em nenhuma.

Para esse contingente imenso, seu negócio é invisível.

Autonomia para decidir

Estar em uma rede social, significa agir exclusivamente sob o que a sua política determina.

Por outro lado, se você tem seu próprio site, as únicas limitações que você pode ter, são de ordem legal. Ou seja, você quem determina suas próprias políticas, suas campanhas, suas estratégias.

E graças aos CMSs, há uma infinidade de recursos open source e gratuitos que possibilitam implantar funcionalidades no seu site para criar um relacionamento estreito com clientes, parceiros e fornecedores.

Soma-se a isso, a questão de liberdade na produção de conteúdo e que é dos principais capitais da Internet.

Identidade própria

Outra vantagem é a criação de identidade.

Você já notou como as páginas dos seus concorrentes e a sua se parecem dentro de uma rede social? Por mais que você produza conteúdo único, tenha seu logo e algumas imagens que o distinguem dos demais, você está confinado sob uma aparência e recursos que são da rede social.

Não é sua identidade visual.

Quem tem seus próprios sites (e-commerce, institucional, blog, etc), determina suas cores, seu layout, que ferramentas cria e disponibiliza e, portanto, como atende seu público e se diferencia dos demais.

Na verdade, é quase impossível em pensar em branding de forma ampla e irrestrita, sob as amarras de uma rede social.

Suporte Técnico

Qual rede social lhe dê qualquer amparo ou suporte técnico? A quem você vai recorrer se algo não funcionar como deveria? Para quem você telefona se sua página fica off?

Ao escolher uma boa empresa de hospedagem, entre muitas coisas você conta com um suporte técnico disponível por diferentes canais de atendimento (telefone, e-mail, helpedesk, chat, tutoriais, etc).

Assim, além de contar com uma retaguarda capaz de lhe dar apoio em questões as quais algumas vezes você não é capaz de resolver, tem a segurança que existem profissionais prontos para zelar pelo seu negócio na web e para entregar elevados percentuais de disponibilidade.

Ser dono do seu conteúdo

O que acontece com todo o conteúdo que você produziu para alguma rede social, se por qualquer razão, ela não existir mais amanhã? Seu conteúdo deixa de existir na Internet!

Sim, em termos práticos, é como se o conteúdo não fosse seu e de certo modo, não é mesmo. Inclusive, quem mais ganha com todo o conteúdo, não é você, mas este é um tema para outra conversa.

Em um site próprio, seja pelos backups que você mesmo pode – e deve – gerar periodicamente, de tudo o que você tem publicado (posts, imagens, bancos de dados, etc), seja pelos backups feitos e armazenados pelo seu hosting, você tem a garantia de que seu conteúdo pode ser hospedado em qualquer lugar, quando quiser.

Conteúdo é um patrimônio seu! Aliás, esse mesmo conteúdo, vai produzir retornos para você e sua empresa e não para um terceiro, no caso de um site próprio.

Maior segurança

Um site próprio aumenta sua segurança por diversificação e ampliação da sua presença digital. Mas também quanto a propriedade do conteúdo.

E se já não fossem razões suficientemente boas, ainda há a segurança quanto ao uso do conteúdo e que métodos e tecnologias podem ser implementadas para aumentar a redundância e disponibilidade, por exemplo.

Inclusive, no mais recente escândalo envolvendo uma das redes sociais mais populares, surgiu o questionamento dos “lucros acima da segurança”.

Ampliar seu retorno

Pense no quanto de retorno que um cliente conquistado por um site pode render e que sem ele, não chegaria até sua marca.

É preciso lembrar que há sim milhões de usuários nas redes sociais. Mas quantos não estão no Instagram ou no Facebook?

Quando você tem um site, você deu mais uma oportunidade a todos aqueles que não estão presentes nas mesmas mídias, de lhe encontrarem e de fazer negócios.

E para todos aqueles que estão, você está dando mais alternativas de contato e aumentando as chances de produzir mais engajamento, por exemplo, por meio de conteúdos exclusivos e que eventualmente não podem ser publicados em uma página a qual você não tem total controle.

Mais informação

Por mais que painéis de controle, relatórios e estatísticas estejam disponíveis em algumas plataformas, você não tem nem o acesso completo e nem a certeza da exatidão de informações que são essenciais para orientar suas estratégias e confirmar ou não qualquer planejamento.

Somente por meio de um site próprio, seja por meio do Google Analytics ou por um sistema próprio de estatísticas, há disponibilidade de métricas importantes para que você possa ter uma leitura ampla, clara e transparente dos resultados das suas campanhas, das ações que realizou.

Outro ponto fundamental relacionado, é o conhecimento do seu público e mais especificamente das personas para as quais você orienta suas ações. Sem informação e controle sobre ela, não é possível esse conhecimento.

Produzir mais engajamento

Reiterando que não se defende sair das redes sociais, mas ampliar o seu leque de atuação, ao conseguir mais visibilidade, mais alcance, produção de uma identidade e mais informações dos seus públicos de interesse, aumentam as chances de produzir mais engajamento.

Mais engajamento, significa mais resultados, tanto nas redes sociais, como fora delas.

Conclusão

A pane global do Facebook, Instagram e WhatsApp, deixou em desespero quem baseia seus negócios nas redes sociais, mostrando porque é preciso diversificar.