Criando conteúdo personalizado para seu blog

Alimentar um blog, já foi mais fácil. No passado, se você tinha um blog, tudo que precisava fazer, era escrever sobre um assunto que conhecesse bem, eventualmente ilustrá-lo com algumas imagens, fotos e ocasionalmente um vídeo e o trabalho estava feito. Agora as coisas mudaram! Se você não quer que seja apenas um site que acumula conteúdo sem que ninguém o veja, suas preocupações agora são outras.

Mas não se desespere. O trabalho de fato aumentou, mas não é algo impossível de ser feito e em compensação, o retorno obtido pode ser bastante recompensador. Criar conteúdo personalizado que atrai as pessoas, exige alguns cuidados e é isso que vamos abordar aqui.

O que mudou?

Muitas coisas mudaram e até mesmo as pessoas são diferentes. Na verdade as pessoas ainda são as mesmas, mas as opções que a Internet coloca a sua disposição, são muitas e assim elas podem e devem ser mais seletivas quando consomem conteúdo. Se há menos de 2 décadas havia um punhado de boas opções de blogs sobre um assunto específico, hoje uma pesquisa no Google pode retornar literalmente milhares de resultados.

Sendo assim, se você não fizer um trabalho com o objetivo de determinar quem você quer atingir, seu blog corre o risco de ser apenas mais um. Tente pesquisar no Google, “blog sobre carros”. Você encontrará cerca de 143 milhões de resultados!

Portanto, você ainda pode continuar mantendo o seu blog como fazia há pouco mais de uma década e mesmo que tenha conquistado um público fiel e seu conteúdo seja incrível, seu crescimento e mesmo a sua manutenção nos mesmos patamares de 10 anos atrás, estarão sob risco.

Por que? Pois o conteúdo tem que atender aos outros e não a você!

O que fazer para criar bom conteúdo?

Esta é naturalmente a pergunta que está se fazendo se chegou até aqui. Pois então vamos falar sobre isso.

Em linhas gerais, no passado você produzia algo e buscava os meios de encontrar a quem aquilo que havia feito, interessaria. Hoje, você imagina a quem você quer atingir e cria o produto que esta pessoa precisa e busca. Muito resumidamente, este perfil de pessoa, é o que o Marketing de Conteúdo chama de persona.

Se o seu negócio e suas aspirações encaixam-se perfeitamente bem no modelo que era praticado no passado, muito bem, você pode continuar a usá-lo e algumas pessoas ainda vão chegar até seu blog. Mas hoje o caminho é inverso. Você tem que mirar em um grupo de pessoas ou até mesmo em mais de um - desde que existam afinidades nestes grupos – e começar a responder perguntas que têm como objetivo encontrar onde estas pessoas estão, o que pensam e querem.

Para que fique mais claro, vamos usar um exemplo. Supondo que seu blog trate de carros, você normalmente tem dois grupos quase antagônicos, que são os amantes de carros antigos e os que gostam de tecnologia automotiva. Você não encontra as pessoas de cada um destes grupos nos mesmos lugares, nem fazendo as mesmas coisas, nem possivelmente consumindo as mesmas coisas. Um é saudosista e o outro, quer sempre o novo.

Os assuntos não são excludentes, mas em geral quem está no primeiro grupo, não é atraído pelo segundo e vice-versa. Mas o que deve estar claro na sua mente, que a abordagem muda em cada caso. E principalmente o conteúdo e como apresentá-lo, também. Percebeu?

Por onde começar?

Agora que você já sabe qual é a “cara” da pessoa padrão a quem você quer atingir ou no máximo as principais características de um grupo delas, você tem informação valiosa para começar a criar conteúdo, bem como pode refinar os meios onde encontrar sua audiência.

Quer um exemplo? Imaginemos que seu negócio seja alimentação e uma das características da persona definida, seja atleta. Neste caso, o conteúdo que você vai criar, deve privilegiar os dados nutricionais dos produtos. Se por outro lado, são donas de casa, possivelmente um conteúdo focado em armazenamento dos alimentos, duração deles e receitas, é certamente mais atraente.

Assim, o enfoque que é dado ao assunto, depende de aspectos particulares da persona. Ainda tendo como base os 2 grupos acima, pense onde você encontra o consumidor típico de cada grupo. Certamente não frequentam os mesmos lugares, não consomem os mesmos produtos, nem comportam-se igual, exceto quando a dona de casa também for atleta.

Mas se suas “preocupações” fossem apenas estas, o trabalho seria fácil. Não que não seja, mas se você quer melhores resultados, você precisa ir além e é recomendável preocupar-se também com a forma como apresenta seu conteúdo.

Vamos supor que seu blog seja sobre literatura, onde a palavra escrita tem mais peso e assim o formato tradicional presta-se muito bem. Mas e se o assunto for pintura? Neste caso uma galeria de imagens certamente é mais indicado. Já se o negócio é música, podcasts é a alternativa mais indicada.

Logo, deve também ter ficado claro que além do conteúdo propriamente dito, a apresentação dele é fundamental e por essa razão, estude que tipos de conteúdo você deve disponibilizar.

Assim, os blogs nasceram como sites verticais, com conteúdo sequencial e predominantemente formados por textos. No entanto, hoje evoluíram a tal ponto que pode-se incorporar uma série de recursos para tornar o consumo do conteúdo algo mais prazeroso e fornecer uma experiência mais rica e aqueles textos corridos sem fim, viraram apenas recordações.

Melhorando ou apenas mudando constantemente

Se você olha para o passado, o único ponto em comum entre aqueles blogs e os de hoje, são o propósito, ou seja, reunir informação a respeito de algo. Todo o resto mudou. Até mesmo a linguagem e os meios de registrar a informação, são outros.

Você já se perguntou por que? De certa forma, é um dilema de origem, ou seja, as novas tecnologias favoreceram o surgimento de novas demandas por parte das pessoas, ou estas demandas estimularam as novas tecnologias para atendê-las? Seja qual for a resposta, o fato é que a única certeza para o amanhã, é a mudança.

Para não ficar para trás e mantê-lo vivo no negócio, você precisa estar atento às tendências e às manifestações que sua persona lhe dá por novos conteúdos ou novas maneiras de apresentá-lo, ou ambos. Como você sabe isso? Medindo e colhendo feedback. Os likes, compartilhamentos, comentários nos posts, as visualizações entre outras informações, ajudam-no a interpretar como está o consumo do conteúdo que você preparou.

No fim, se tudo der certo, o seu conteúdo será de fato personalizado, se aquela persona que você identificou lá no começo do trabalho, voltar amanhã ávida por mais conteúdo. Esta certeza será ainda maior, se além do leitor de ontem, também vier o de amanhã.

Conclusão

Criar conteúdo personalizado, é mais do que simplesmente escrever, escrever e escrever. Você deve pensar para quem você vai produzir e com base nisso, o que esta pessoa gosta e espera encontrar em seu blog, bem como o modo que este conteúdo estará disponível para produzir uma experiência prazerosa, atraindo de volta esta pessoa e trazendo outras.