Hospedagem Compartilhada: O que é?

No princípio da Internet, hospedar ou colocar qualquer tipo de conteúdo disponível para algum nível de acesso, exigia conhecimento e investimento que não estava ao alcance da maioria das pessoas e até mesmo de algumas empresas.

Exigia-se um servidor, um link, infraestrutura de rede, um endereço IP dedicado, licenças de sistemas e o conhecimento técnico para integrar e fazer funcionar tudo. O custo disso era da ordem de milhares de reais!

Eventualmente, foram surgindo alguns serviços gratuitos, com muitas limitações em relação ao que se podia hospedar, com um desempenho que muitas vezes era comprometido pela natureza gratuita e ausência de suporte técnico.

Passados vários anos, os requisitos para se hospedar algo, ainda são os mesmos, mas a acessibilidade em termos de custo, é outra. Veja neste artigo o que é hospedagem compartilhada e suas vantagens. Boa leitura!

Início da hospedagem compartilhada

Com um investimento diário da ordem de centavos, um profissional liberal, um freelancer, uma empresa ou mesmo uma pessoa física, tem seu site, suas contas de e-mail, aplicações, bancos de dados, todos presentes na Internet, 24 horas por dia, 7 dias por semana. O que mudou? O surgimento do que o mercado conhece como hospedagem compartilhada e que representa o serviço consumido por 99% de todos os sites existentes no mundo!

Há cerca de duas décadas, quando os pioneiros — verdadeiros desbravadores da nova tecnologia — da Internet começaram a implementar os primeiros serviços para as grandes corporações, identificaram que, muitas vezes, toda aquela infraestrutura e investimentos feitos, ficavam a maior parte do tempo ociosos, afinal, na época, a Internet apenas engatinhava.

As pessoas nem bem conheciam o termo e seu uso era muito restrito. Então veio a ideia: por que não "alugar" parte daquela infraestrutura que não era toda utilizada, para quem também tinha interesse em explorar as novas possibilidades que surgiam, mas não tinham nem o know-how, nem o capital para fazê-lo?

Acabara de nascer a hospedagem compartilhada, ou seja, dois ou mais empresas ou usuários, usando os mesmos recursos e assim, compartilhando o investimento necessário. E, assim, foi graças ao modelo de hospedagem compartilhada idealizado, que a Internet comercial foi um sucesso e disseminou-se globalmente, possibilitando que ela se desenvolvesse até o ponto que conhecemos hoje.

Como ela funciona?

Basicamente, esse modelo consiste em criar contas para cada domínio hospedado em um servidor de grande capacidade computacional (elevados níveis de processamento, memória e armazenamento), no qual estão presentes todos os serviços que uma hospedagem típica costuma oferecer: sites, contas de e-mail, FTP, bancos de dados etc.

Esse servidor é inserido em uma infraestrutura com vários outros, interconectados por meio de redes locais e destas a outras externas, usando roteadores e switches.

Outros detalhes compõem tudo que é necessário e que incluem firewalls, sistemas de refrigeração, segurança, energia, tudo isso acomodado em salas com controle de acesso e sob forte esquema de vigilância e segurança, acaba por compor o que se conhece como data center.

Um usuário hospedado em um servidor compartilhado, dispõe em sua conta de todos esses serviços, além de outros, os quais são usados conjuntamente com os demais usuários.

De maneira análoga, esse processo pode ser comparado a um morador de um prédio de apartamentos, que compartilha de tudo que o condomínio oferece (elevador, salão de festas, quadras, piscinas, sala de jogos etc).

Ou seja, hospedar um domínio em regime compartilhado, significa usufruir de uma gama imensa de serviços e infraestrutura, que possibilitarão que se tenha um site, contas de e-mail, aplicações online ou o que se imagine em termos de serviços Web, a um custo muito baixo.

Controle de uso

Da mesma forma que ocorre na analogia do condomínio, em um servidor compartilhado existem regras e limites para utilização dos recursos comuns, as quais visam que todos os usuários tenham disponibilidade de recursos (acesso aos sites, envio e recebimento de e-mails, consultas aos bancos de dados etc.) e façam um uso igualitário disso.

Para tanto, em um servidor são instalados sistemas que controlam e limitam o uso por parte de cada conta e são estabelecidas e divulgadas políticas para que todos conheçam os limites de utilização do serviço.

Mas por que impor limites? Quem mora ou já morou em um prédio de apartamentos, sabe o transtorno que é usar o elevador em um dia de mudança. Apenas um elevador funcionando, sempre cheio e com um longo tempo de espera. O outro, 100% ocupado pelo condômino que está de mudança.

Se isso acontece em um servidor compartilhado, ou seja, um dos usuários está consumindo por exemplo, 50% de todo o poder de processamento do servidor, restam apenas os demais 50% para serem compartilhados por todos os demais usuários, o que pode ser pouco e acarretar um site lento, exatamente como na analogia anterior. O resultado é, além da demora no acesso aos sites, demora ou até erros nas consultas ao banco de dados, no envio e recebimento de e-mail, a todos os demais serviços.

É por isso que a hospedagem compartilhada, tem seus limites, para que nenhum dos serviços que compõem a hospedagem seja utilizado de modo muito intenso ou muito acima da média dos demais usuários, tanto para não prejudicá-los, como também para que o compartilhamento seja justo.

Casos em que ela é mais indicada

Conforme já mencionamos, quantidade significativa de todos os sites existentes baseiam-se no modelo de hospedagem compartilhada, a qual tornou possível que praticamente qualquer pessoa e empresa possam ter um site e serviços associados ao mesmo.

Mas mesmo sendo o modelo prevalecente, nem sempre é possível hospedar um projeto de Internet em planos de hospedagem compartilhada. Geralmente não são adequados projetos que já nascem com pretensões maiores, ou para atender demandas de grandes empresas, as quais podem até terem sites institucionais modestos em termos de recursos e tamanho, mas por uma grande quantidade de contas de e-mail e consequentemente de tráfego de informações, exigirem soluções mais robustas.

Sendo assim, seguem os casos mais comuns nos quais um plano de hospedagem compartilhada costuma atender suficientemente bem:

  • Profissionais liberais (dentistas, médicos, advogados, contadores, etc) e toda atividade profissional, nas quais a atividade é desenvolvida de forma autônoma ou mesmo quando há constituição de pessoa jurídica, mas a infraestrutura empresarial correspondente é de pequeno porte;

  • Pequenas empresas, as quais não tenham sites grandes e que ultrapassem poucas centenas de visitas por dia e algumas poucas dezenas de contas de e-mail;

  • Pessoas físicas e freelancers, os quais geralmente têm sites pequenos, blogs pessoais e que usam poucas contas de e-mail;

  • Pessoas e empresas com poucos conhecimentos técnicos, que precisam de um serviço simples em termos de utilização, mas completo em recursos que permitam dispor eficientemente do que um serviço de hospedagem pode proporcionar;

  • Contar com um leque de recursos que tornem a administração simples, como por exemplo, um instalador automático de CMS, por meio do qual é possível criar diferentes tipos de site, que vão desde do tradicional site institucional, passando por um blog e até mesmo uma loja virtual;

  • Entidades e organizações sem fins lucrativos, as quais geralmente têm limitação de recursos de todas as naturezas, mas que assim como qualquer outra, precisam contar com o acervo de recursos que a Internet oferece;

Principais recursos de hospedagem compartilhada

Quando você busca um serviço de hospedagem compartilhada, é importante ter em mente alguns aspectos que diferenciam cada plano e cada empresa. Você não precisa ser um especialista no assunto, mas algumas noções das principais características que costumam fazer parte de cada plano e o que observar, é adequado para que você faça uma escolha apropriada e consciente.

Espaço em disco

Este costuma aparecer como primeiro e/ou principal ponto de cada plano. Da mesma forma que seu computador pessoal ou smartphone, em que você precisa de espaço para instalar aplicativos, guardar fotos, vídeos, documentos, entre todo tipo de conteúdo que você costuma ter.

Em uma conta de hospedagem, não é diferente. Seu site é composto de vários aquivos da linguagem de programação na qual ele foi desenvolvido, por imagens, vídeos, PDFs, bancos de dados, arquivos de configuração, etc. Tudo isso, somado aos e-mails que você recebe, ocupa espaço e isso que você deve observar, para saber se será suficiente e de acordo com sua necessidade atual e de médio prazo.

Tráfego

O tráfego, é análogo ao que você já conhece em termos dos dados móveis do seu plano de telefonia. Ou seja, a cada acesso que seu site tem, a cada e-mail enviado ou recebido e a cada arquivo enviado ou baixado do servidor, dados são transferidos, compondo o que se chama de tráfego.

Contas de e-mail

Refere-se à quantidade de contas de e-mail que podem ser criadas. Embora existam planos ilimitados que não estipulem um limite para criação de contas, é adequado lembrar que um número grande de usuários, principalmente se fizerem uso intenso desse serviço, pode acarretar em sobrecarga ao ambiente, bem como pode-se ocupar todo o espaço em disco disponível no plano. Portanto, as vezes pode ser indicado contratar um serviço em que este recurso seja dimensionado de acordo com as necessidades da empresa.

Domínios e subdomínios

Outro ponto de diferenciação entre planos de hospedagem, é a quantidade de domínios e subdomínios que podem ser criados e hospedados em um só plano. É algo a ser considerado, quando você tem mais de um domínio registrado, ou mesmo que tenha apenas um, mas planeja ter um site, um blog, um fórum ou algum outro tipo de site que possa estar vinculado a um subdomínio, como por exemplo, loja.meudominio.com.br.

Bancos de dados

Atualmente é impossível pensar nos diferentes tipos de site que existem e qualquer aplicação web, que não tenham uma estrutura de programação que dependa e esteja integrada a um ou mais bancos de dados. Sendo assim, o número de bancos de dados disponíveis, deve ser no mínimo igual ao número de domínios e subdomínios que você pode ter sob o plano contratado.

Uptime

O uptime refere-se ao tempo mínimo em termos percentuais, que o provedor de hospedagem assegura que os serviços estarão disponíveis ao longo de um mês. Portanto, um serviço com uptime de 99,5%, indica que este é tempo mínimo que o site, e-mail e demais serviços estarão acessíveis ou de modo complementar, que no máximo haverá 0,5% de indisponibilidade dos serviços ao longo de um mês.

Aplicativos pré-instalados

Normalmente chamados de CMSs e que é a sigla para Content Management System, não mais são do que aplicativos que permitem criar e gerenciar sites com os mais diferentes propósitos. Sendo assim, há CMSs para criação de um blog, de uma loja virtual, de um fórum e até mesmo de uma rede social, se assim você quiser ou precisar.

Painel de Controle

Os serviços de hospedagem de site oferecem o que se conhece por painel de controle – e que de modo semelhante ao que você tem no seu computador – reúne um conjunto de ferramentas para controlar a hospedagem. Por meio dele, você cria bancos de dados, contas de e-mail, visualiza estatísticas de uso do serviço, acessa o instalador de CMS, entre uma série de serviços que integram o serviço de hospedagem.

Saber que painel é usado, também é importante no caso de uma futura e eventual mudança de empresa. Há a grosso modo, painéis próprios do hosting e há aqueles que são especificamente criados por uma empresa especializada e que são adotados por muitas empresas. Sempre que possível, escolha a segunda opção, pois facilita muito quando da migração.

Suporte Técnico

É de se supor que em maior ou menor grau, mesmo que tudo funcione perfeitamente bem na hospedagem, que em algum momento tenha que se recorrer ao suporte técnico, afinal sempre é possível haver dúvidas quanto à utilização dos recursos do plano contratado, especialmente porque se você está aqui, não deve ser um expert no assunto.

Também atente ao tempo de atendimento, preparo e cordialidade dos colaboradores que atuam no suporte, bem como os canais de atendimento que são fornecidos para receber atendimento. Quanto você mais precisar, é importante contar com uma equipe eficiente, ágil e disponível.

E então, gostou desse artigo? Não esqueça de deixar seu comentário logo abaixo deste post!

Comentários ({{totalComentarios}})