Migração de hospedagem: O que é e como fazer?

Pode ser que para alguns não, mas costuma chegar o dia na “vida” de um site, em que é preciso migrar para outra empresa de hospedagem. Essa é uma situação que aqueles que já passaram por isso, geralmente não gostam. Se você é um daqueles que ainda não teve esta experiência, saiba o que é uma migração de site, porque e quando é feita a migração e que aspectos você deve se preocupar, acompanhando este artigo até o fim.

O que é migração de hospedagem?

Quando você tem um site ou qualquer outro recurso associado ao seu domínio, como por exemplo, contas de e-mail e as respectivas mensagens, um blog, uma aplicação Web ou um sistema corporativo online, todo o conteúdo correspondente e que faz tudo funcionar, está armazenado em um servidor pertencente a uma empresa de hospedagem.

Por sua vez, o web server - ou simplesmente servidor - é o responsável por fornecer os serviços todos, como a exibição do site, do blog e da loja virtual, o envio e recebimento de e-mails e tudo o mais que eventualmente você tenha e que os usuários acessam.

Digamos que seu atual hosting apresentou algum tipo de problema, ou simplesmente você optou por um plano de hospedagem mais adequado às suas necessidades, como por exemplo, um plano de hospedagem personalizado ou um plano de hospedagem Wordpress, para que seu site tenha um desempenho e suporte melhor.

Uma vez que a decisão esteja tomada e o novo plano ativado, todo o conteúdo relacionado precisa ser removido do servidor no qual está armazenado e ser transferido para o servidor da nova empresa. Guardadas as devidas proporções, é algo análogo ao que acontece quando você comprar um novo computador e precisa transferir tudo o que tem no antigo, para o novo.

Além da simples transferência do conteúdo contido, é necessário a realização de alguns procedimentos, que podem variar dependendo das diferenças entre a antiga e a nova empresa de hospedagem, como eventuais configurações, criação de contas e bancos de dados e alguns procedimentos que são obrigatórios, como a mudança dos DNSs.

Como é feita a migração de site?

Aqui temos outro ponto que pode variar bastante e é onde reside boa parte do trabalho. Os procedimentos a serem adotados para conduzir a migração diferem caso se tenha uma hospedagem compartilhada ou revenda de hospedagem e que representam as situações mais frequentes, ou um VPS ou servidor dedicado.

Vamos a seguir abordar as ações principais, de acordo com as situações mais frequentes:

Hospedagem compartilhada

  • Se o ambiente de hospedagem do antigo e do novo hosting são similares e, sobretudo o painel de controle é o mesmo – com especial destaque para o cPanel – o processo de migração é o mais simples possível. No entanto, para a realização mais simples, rápida e segura, é necessário que o procedimento seja conduzido pelo suporte da nova empresa. Para tanto, é necessário se fazer uma consulta, pois nem todo hosting realiza o procedimento. Sendo possível, basta fornecer os dados de acesso ao cPanel da conta antiga e realizar o agendamento;

  • Caso os ambientes sejam diferentes, há particularidades que devem ser avaliadas caso a caso. Geralmente o mais simples é a mudança de arquivos do site e bancos de dados. Embora dependendo da quantidade de dados o processo possa consumir tempo, não costuma haver surpresas, já que consiste de simples transferência de dados via FTP;

  • Também para situações de ambientes diferentes, a migração das contas de e-mail, é o que pode demandar mais trabalho, seja por diferenças nos serviços usados, seja pela quantidade de contas e respectivas mensagens, pois é um trabalho manual, com algumas etapas, demorado e que exige atenção e cuidados. Ressalta-se que esta transferência só é possível, se as contas são configuradas para manter uma cópia no servidor, ao se usar POP3, ou se as contas utilizam IMAP;

  • Seja no primeiro ou segundo caso, uma vez que tenha sido concluída a transferência de conteúdo do antigo para o novo servidor, é necessário realizar-se a verificação quanto à integridade dos dados migrados, o que se faz por procedimentos como contagem do número de arquivos, volume de dados, acessos a determinados conteúdos no novo servidor usando-se o IP do mesmo, entre outros;

  • Um outro passo importante, é o de configurações gerais, como por exemplo, a atribuição de uma versão do PHP, habilitação de extensões, tarefas cron, mudança de senhas, ajustes no arquivo .htaccesss, entre outros. Normalmente é uma etapa feita pelo administrador do site ou em conjunto com ele e o suporte técnico do novo hosting, que o orientará quanto a possíveis dúvidas;

  • Feita a verificação da transferência de conteúdo, o próximo passo é a mudança dos DNSs, atribuindo os novos DNSs ao domínio e realizando eventuais configurações adicionais, como por exemplo, nos casos em que se use um serviço de e-mail externo, utilize-se alguma personalização específica nas zonas de DNS. Após a alteração dos DNSs, é necessário aguardar a propagação, para que o conteúdo migrado comece a responder pelo novo servidor.

Revenda de hospedagem

  • O primeiro tópico relativo à hospedagem compartilhada, aplica-se à migrações de planos de revenda de hospedagem, exceto pelo fato de que os dados fornecidos são do WHM, ao invés do cPanel e geralmente se orienta para padronização das senhas de cada conta de revenda, com o intuito de facilitar a migração. Após a sua conclusão, as senhas originais podem ser restituídas ou novas senhas atribuídas a cada uma das contas pertencentes à revenda;

  • Quando os ambientes são diferentes, da mesma forma que nas hospedagens compartilhadas, deve-se proceder a uma avaliação que varia em função das plataformas existentes no antigo e novo hostings. Via de regra, os processos são manuais, mas há questões adicionais, como a criação de cada uma das contas existentes sob a revenda. Uma vez que as contas estejam criadas, procede-se exatamente como nos casos de hospedagem compartilhada, repetindo-se os procedimentos para cada conta;

  • Também quando há diferenças nas plataformas de hospedagem do antigo e novo hosting, devemos salientar que configurações específicas de cada conta precisam ser mudadas uma a uma, o que geralmente não é necessário nos casos de uso do cPanel;

  • Contrariamente ao conteúdo, cujas mudanças são individuais, no caso dos DNSs, alteram-se apenas os DNSs do domínio principal da revenda, sendo que a propagação dos DNSs se dá da mesma forma que para um domínio individual de hospedagem compartilhada.

VPS ou Servidor Dedicado

  • Aqui vale também as observações feitas para hospedagem compartilhada e revenda, quanto a igualdade ou diferença de ambientes. O que muda no caso de antigo e novo hosting utilizarem ambos o cPanel, que a senha que deve ser fornecida, é a de administrador. É o caso mais simples, rápido e seguro de migração, devido ao fato de haver privilégios de administrador de ambos os lados e consequentemente, mais opções e controle sobre o conteúdo a ser migrado;

  • Mesmo nos casos em que os ambientes de hospedagem sejam diferentes, costuma ser mais simples em termos de número de processos para se fazer a mudança, porque geralmente há privilégios de administrador no antigo hosting, o que amplia o leque de possibilidades, desde que se observe as medidas de segurança e integridade dos dados migrados;

  • Como ocorre com a migração de revendas entre plataformas diferentes, deve-se tratar cada conta de hospedagem individualmente, tanto em termos de criação, migração de conteúdo e configurações;

  • Não é raro que VPSs e servidores dedicados tenham mais do que simplesmente sites. É comum hospedarem outros sistemas / aplicações, que por vezes exigem serviços específicos e configurações no servidor novo. Deve-se consultar o suporte do novo hosting quanto a possibilidade de instalação e configuração dos serviços, bem quanto a eventuais licenças;

  • Em termos de DNSs, salvo existam nele contas com DNSs próprios ou revendas, a alteração de DNSs é feita apenas nos DNSs principais do servidor e a propagação ocorre como em qualquer outra mudança.

O que não é possível migrar?

Há alguns pontos que não podem ser migrados, seja nos casos de plataformas idênticas, seja no caso de ambientes totalmente diferentes.

  • IP fixo – os IPs usados em hospedagem compartilhada, revenda de hospedagem, VPS ou dedicado, são alterados, sendo necessário que a nova empresa de hospedagem deve fornecer os novos IPs, os quais podem estar sujeitos a cobrança de valores mensais ou de acordo com a periodicidade de pagamento, bem como de acordo com o serviço que foi contratado;

  • Licenças – licenças de alguns serviços podem estar vinculadas ao serviço, ao hosting e o plano utilizado, particularmente nos casos de VPSs e dedicados, onde é comum a instalação e utilização de serviços que vão além do que é comum encontrar em ambientes compartilhados. Deve-se consultar o departamento comercial do novo hosting quanto à disponibilidade, condições e valores;

  • Configurações – particularmente no caso de ambientes de hospedagem diferentes, é usual que configurações e senhas tenham que ser refeitas / recriadas no novo ambiente;

  • Estatísticas – da mesma forma que as configurações, quando os ambientes de origem e destino são diferentes, os dados de visualização, acessos e outros dados de estatísticos da conta de hospedagem, não podem ser migrados. A partir da nova conta, os dados são inicializados a partir do zero.

  • Construtor de sites – exceto nos casos de uso do cPanel, em que às vezes há disponibilidade do mesmo construtor em algumas diferentes empresas de hospedagem, na maior parte dos casos um site feito em um construtor, não pode ser migrado para outro hosting, funcionando apenas na conta em que foi feito. Neste caso o site deve ser refeito no novo plano;

  • Tarefas Cron – também conhecido como Cron Jobs, as tarefas cron precisam ser novamente criadas, a não ser que a migração se dê entre duas contas que usem cPanel;

  • Filtros – outro recurso do cPanel, que exige reconfiguração quando se migra uma conta de hospedagem para plataforma diferente;

Portanto, vê-se que o trabalho de migração de uma conta de hospedagem e seu conteúdo, é algo que exige trabalho e atenção. Pode levar tempo, render algumas horas de dedicação para realizar os ajustes, razão pela qual muitas vezes pessoas e empresas adiam tanto quanto podem para mudar de hospedagem.

No entanto, há algumas empresas de hospedagem – entre elas a HostMídia – que oferecem este serviço para os novos clientes. Quando a conta que está sendo migrada vem de outro ambiente que utiliza cPanel, o serviço é feito como cortesia, ou seja, é livre de custos. Dadas às circunstâncias, constitui um diferencial importante a ser considerado na escolha do seu futuro hosting.

Seja qual for o caso, é indicado no processo de compra do novo serviço, efetuar um contato telefônico, onde todas as condições da migração podem ser previamente esclarecidas e o atendente pode até mesmo realizar um agendamento do processo de migração, o que as melhores empresas costumam oferecer.

Conclusão

Mudar de empresa de hospedagem, seja por qualquer razão, significa mudar conteúdo e toda as configurações e adequações relacionadas a este conteúdo. É uma operação que requer alguns conhecimentos, a realização de vários procedimentos e algum tempo e algumas variáveis que envolvem o antigo e o novo ambiente de hospedagem. Todo esse trabalho poder ser muito simplificado, dependendo da escolha que fizer, particularmente se o seu destino é uma empresa que dá suporte a este tipo de mudança.