O que é Servidor?

Responder de maneira simples o que é servidor, é por redundante que possa parecer, algo muito simples e este texto seria resumido a umas poucas palavras. Não é nossa proposta complicar a resposta, mas vamos um pouco além para poder lhe dar uma noção completa do que é e sua importância no mundo moderno.

A maior obviedade das coisas está justamente em que sejam exatamente o que parecem ser e assim, servidor é um dispositivo eletrônico que tem por papel servir. Mas servir o que? Mais do que um simples dispositivo eletrônico, um servidor é um computador e assim, ele serve programas ou o resultado do que os softwares neles instalados fornecem às pessoas.

A história dos servidores

Não há exatamente um marco do surgimento dos servidores em termos de computação, da mesma forma como os primeiros PCs são resultado de uma série de ações de empresas como Apple e IBM e não há um “marco de fundação”. Mas de forma geral os primeiros servidores surgiram com o aumento do uso de redes de computadores e assim, começou-se a imaginar que seria produtivo e útil destinar alguns computadores da rede para usos específicos.

Embora redes de computadores já existiam antes da Arpanet (1969) – a qual foi o embrião do que conhecemos hoje como Internet – foi só a partir de então que a adoção de redes com propósitos primeiramente acadêmicos e depois comerciais, ganhou corpo. Paralelamente a isso, o modelo antigo que baseava-se em mainframes – que eram grandes computadores - e terminais, começou a ficar obsoleto e os servidores ganharam mais e mais importância.

Máquinas menores e mais potentes, começaram a ser desenvolvidas para fins diversos e o que antes ficava concentrado nos caros e enormes mainframes, começou a ser distribuído em vários servidores. Isso conferiu segurança, facilidade de manutenção, escalabilidade e até economia, entre outras vantagens comparativamente ao modelo anterior.

Evolução Tecnológica e o servidor

Entre o final da década de 70 e o início dos anos 80, vimos proliferar uma grande quantidade de empresas que desenvolveu processadores destinados a equipar computadores, que vão desde as conhecidas IBM, Intel e AMD, até outras também conhecidas mas que não alcançaram o mesmo sucesso neste propósito, como Zilog, Motorola, NEC, Cyrix, Fujitsu, entre algumas dezenas de empresas do setor.

A competição entre todas as empresas que entraram na corrida tecnológica, fez nascer muitas opções e alternativas de arquiteturas. Paralelamente, estas mesmas empresas começaram a desenvolver memórias, formas diferentes de armazenamento, comunicação entre dispositivos, favorecendo com que o uso dos computadores aumentasse e o tamanho dos equipamentos, diminuísse.

Era o que a indústria da computação precisava para evoluir e com isso, nos anos 80, tornou-se uma realidade e econimicamente viável ter um PC (Personal Computer) em algumas residências e servidores nas empresas. Era um caminho sem volta.

Os usos de um servidor

O principal papel de um servidor é fornecer algo de maneira centralizada, acabando com a necessidade de se ter um programa ou sistema instalado em cada equipamento de cada um dos usuários de uma empresa. Atualmente servidores são adotados para fornecer praticamente tudo que se consiga imaginar e esteja relacionado com computação.

Desta forma, utiliza-se um servidor não somente, mas principalmente para os propósitos a seguir:

  • Hospedagem de sites e de aplicações que rodam ou são acessadas na Internet;

  • Armazenamento de arquivos localmente (dentro das empresas), na Internet ou em unidades destinadas a grandes volumes de dados, chamadas de storages;

  • Fornecer aplicações / sistemas empresariais, como por exemplo ERPs, rodando localmente ou remotamente;

  • Serviço de e-mail;

  • Bureau de serviço de impressão;

  • Aplicações e serviço de bancos de dados;

  • Sistemas de segurança física e patrimonial;

  • Sistemas de pagamento (cartão de crédito, débito, cripto moedas e outros pagamentos eletrônicos);

  • Aplicações de telefonia e a própria atual infraestrutura;

  • Infraestrutura para as aplicações que rodam nos smartphones;

  • Internet das coisas (IoT);

  • A própria Internet, se pensarmos em sua estrutura moderna e como é conhecida;

Como é um servidor?

Você já sabe que um servidor é basicamente um computador. Mas atualmente ele não é qualquer computador e na maior parte das vezes, nem mesmo se assemelha fisicamente aos computadores que temos em nossas casas.

Devido às extremas exigências computacionais e ao fato de que atualmente podemos ter dezenas de milhares de servidores acomodados em prédios especializados em abrigá-los, os chamados datacenters, até fisicamente os servidores assumiram características próprias.

Hoje um gabinete de servidor tem dimensões padrão justamente para permitir que sejam instalados dentro de racks – também com medidas padrão – favorecendo sua distribuição física otimizada no espaço, o fornecimento de energia, conectividade com a rede, resfriamento e até manutenção.

Além dos aspectos acima, um gabinete deve ser capaz de abrigar muito mais componentes do que um computador doméstico, já que frequentemente um servidor pode ter até dezenas de processadores e pentes de memória, várias unidades de armazenamento, muitos coolers para circular o ar ordenadamente no interior do gabinete e toda a gama de componentes para fazer esta arquitetura funcionar adequadamente.

Vantagens do uso de servidores

Como já dito, o surgimento e adoção de um servidor como parte da estrutura computacional de uma empresa, veio praticamente com a popularização das redes de computador. O que foi decisivo neste processo, foram as vantagens de se ter um servidor. Entre as principais, podemos citar:

  • Diminuição de custos de licenciamento – gasta-se menos com licenciamento de software, já que para alguns casos, deixou-se de instalar um software – e consequentemente uma licença – no computador de cada usuário;

  • Redução de custos de infraestrutura – com algumas aplicações migrando para o servidor, ao invés de serem executadas nos equipamentos dos usuários, pôde-se adotar equipamentos com configurações inferiores e consequentemente mais baratos;

  • Aumento de segurança – os protocolos de segurança são executados no servidor e não nos usuários. Além disso, um servidor na rede pode filtrar o tipo de conteúdo e os acessos que são realizados pelos usuários. Também é mais fácil controlar o conteúdo de um único servidor, em relação a vários usuários;

  • Controle de versões e atualizações – ao atualizar os sistemas e versões no servidor, automaticamente todos os usuários que se conectam ao servidor podem usufruir imediatamente destas atualizações. Se há necessidade, também pode-se ter diferentes versões de um mesmo serviço ou sistema, para necessidades de diferentes grupos de usuários;

  • Portabilidade – a migração de conteúdo ou de sistemas é mais simples, visto que não se tem que migrar conteúdo de todos usuários, mas apenas aqueles que são executados no servidor;

  • Manutenção – qualquer procedimento de reparação ou suporte nos sistemas, é centralizado no servidor e automaticamente atinge todos os usuários;

  • Outsourcing – também chamada de terceirização de serviços de TI, que é quando um terceiro fornece um serviço que antes era feito com recursos (espaço, pessoas, equipamentos, etc) dentro da empresa.

Desvantagens no uso de um servidor

Mas nem tudo são rosas e como outras situações na vida, há também desvantagens:

  • Em pequenas estruturas computacionais e empresas, adotar um servidor, pode encarecer a infraestrutura. Como exemplo, um pequeno escritório com 3 usuários, em muitos casos pode dispensar o uso de um servidor pela razão custo;

  • Quando se têm dependência de aplicações / sistemas que rodam exclusivamente no servidor e não há uma alternativa que ofereça redundância ou backup, se o servidor precisa passar por manutenção, todos os usuários que dependem dele ficam inoperantes até que a manutenção seja concluída;

  • Se uma falha de segurança afeta o servidor, todos os usuários automaticamente são afetados;

  • Necessidade de se investir em alternativas para prevenção no caso de falhas de hardware, software e segurança, quando a interrupção do servidor implique em perdas significativas ou afete muitos usuários;

  • Dependendo da quantidade de usuários e de aplicações de uma empresa, é necessário investir em mais de um servidor, ampliação da rede, do espaço físico e até de pessoal capacitado para dar suporte a tudo isso.

O servidor na Internet

Se as redes empresariais evoluíram e favoreceram a popularização do servidor, podemos afirmar que a interligação das redes locais e regionais, também conhecida como Internet, só foi possível graças aos servidores. Atualmente não é possível imaginar Internet se não houvessem servidores, que são os responsáveis por servir tudo que utilizamos.

Hoje quando você utiliza praticamente qualquer coisa, está dependente de um ou muitos servidores. Quando acessa seu site ou de terceiros, faz um pagamento via métodos eletrônicos, baixa um app para o smartphone, armazena na nuvem uma foto, conversa via WhatsApp ou Skype, vê imagens de um sistema de segurança, são alguns exemplos de ações no quotidiano de quase todas as pessoas e que só são possíveis por existir um servidor do outro lado.

Foi também a Internet que favoreceu uma das vantagens que citamos – o Outsourcing. Graças a possibilidade de se ter acesso remoto a tudo que antes estava fisicamente dentro das empresas, pôde-se optar por empresas especializadas em fornecer o mesmo ou até mais, não mais dependendo de aspectos geográficos.

Conclusão

Um servidor é mais do que um simples computador de grande capacidade de processamento e sua existência e uso, estão intimamente ligados a muitos dos serviços e conveniências que temos no mundo moderno, como por exemplo, a Internet e tudo que a ela esteja associado. Sem ele, boa parte do mundo que conhecemos, não existiria.