Freelancer: vagas, oportunidades, trabalhos, afinal o que é um freelancer?

Estou procurando um ‘frila’ pra fazer”, “preciso de um ‘frila para um job’”, “você poderia me indicar um bom ‘frila’?”, são exemplos de frases que se ouvem cada vez mais frequentemente e que colocam em evidência algo que não é tão novo assim, mas que ganhou um impulso significativo nos últimos anos, graças a algumas atividades específicas. Chegou a hora de saber tudo sobre o que é freelancer!

A origem da palavra

Não há consenso sobre a origem da palavra freelancer e há até traduções equivocadas, com explicações que podem gerar embaraço em quem as deu, mas o que parece ser razoável e lógico, é a possibilidade de ter surgido em função do romance Ivanhoé, de Sir Walter Scott, uma vez que em um trecho menciona-se a “contratação” de um “lanceiro livre”, ou seja, que não jurava armas a apenas um senhor, mas que prestava serviços a quem lhe pagasse mais.

Assim, o “lanceiro livre” ou Free Lances, conforme consta originalmente em inglês no livro, era um cavaleiro mercenário e que também de acordo com as palavras do texto, “um homem de ação sempre encontrará emprego”, dando a ideia de que os valorosos não ficariam sem trabalho.

Hoje, o freelancer, é a designação que se dá à pessoa que trabalha em regime temporário, mais especificamente realizando tarefas ou trabalhos únicos e geralmente de curta duração e por estes trabalho, são apropriadamente remunerados de acordo com valores estipulados previamente. Não é uma relação de trabalho na qual exista vínculo empregatício.

O termo, suas variações e seus usos

Nos tempos atuais o termo ganhou significados diferentes e variações de acordo com seu uso e o contexto nas frases em que é empregado.

Em termos coloquiais e trazido para o português, ganhou a grafia “frila” pela forma como se pronuncia a palavra da qual deriva no idioma inglês e que originou um neologismo, que é “freela”.

Quando se fala em freelance, geralmente se refere ao trabalho ou atividade em regime temporário. Já, acrescido do “R” no final e, portanto, freelancer, é a pessoa que exerce a atividade em caráter eventual ou individual, no entanto este mesmo termo quando acompanhado do substantivo da atividade, designa como é exercida a atividade profissional, como por exemplo, jornalista freelancer, que refere-se àquele que atua como jornalista, por cada cobertura feita e não como jornalista permanente de um veículo de imprensa.

A evolução do trabalho freelancer

O trabalho freelancer nasceu da conjunção de duas disposições. De um lado uma empresa ou mesmo um pequeno empregador que dispunha de um trabalho pequeno ou de curta duração e pontual para ser feito e que desta forma, não exigia a contratação de alguém fixo e em caráter permanente. Do outro, um trabalhador qualificado e momentaneamente sem ocupação fixa ou permanente.

Porém na medida em que períodos ruins da economia ocorriam, este tipo de relação de trabalho começou a aumentar. Geralmente em todos os momentos de recessão, estagnação ou mesmo desaceleração da atividade econômica e aumento do desemprego, viu-se esta modalidade laboral intensificar-se.

Se por um lado, a variação da oferta destes tipos de trabalho podem depender das oscilações do mercado de trabalho e da economia, o crescimento de determinados segmentos também impulsionou a oferta de trabalhos freelances, como por exemplo, a Internet.

A não ser que uma empresa tenha um grande projeto e com demanda permanente, não há sentido em contratar profissionais que atuam na área, como web designers por exemplo, em caráter permanente. Em geral o trabalho tem curta duração e tem um fim precisamente conhecido.

A princípio, toda atividade que pode se dar na forma de consultoria ou de trabalhos curtos, pode ser desenvolvida por um freelancer, como por exemplo, projetos de arquitetura ou engenharia, programação, jornalismo, advocacia, fotografia, web e desenvolvimento, para citar apenas algumas áreas em que é costume acontecer.

Perfil do freelancer

Há algumas características que normalmente estão associadas a todos os profissionais que atuam como freelancers. Tais aspectos não são fundamentais, mas cada um tem um nível de contribuição na formação de alguém que consegue atuar com bons resultados. Quanto mais aspectos a pessoa reúne, maiores as chances de se ter sucesso atuando como tal:

  • Administração do tempo – é vital para o cumprimento de prazos perante o cliente e no desenvolvimento das atividades diárias. Sem uma administração do tempo eficaz, o resultado e mesmo a qualidade do que é feito, pode ser comprometido, bem como a imagem em relação ao cliente;
  • Responsabilidade – para cumprir prazos, produzir com qualidade, cumprir o acordado, assumir erros e garantir satisfação;
  • Ética – em relação ao cliente e a outros profissionais da área (concorrentes);
  • Flexibilidade – para adaptar-se às exigências do mercado, às mudanças e à concorrência;
  • Disciplina – é importante por várias razões, mas entre as mais importantes, geralmente a atividade profissional é desenvolvida na própria residência e neste caso, deve-se ter um ambiente individualizado das rotinas e acontecimentos domésticos, sabendo desenvolver e conduzir uma rotina profissional de trabalho tal qual seria em um ambiente corporativo;
  • Autodesenvolvimento – a fim de adquirir novos conhecimentos e manter-se continuamente capacitado de acordo com a evolução da base de conhecimento e dos assuntos relacionados ao desempenho das atividades profissionais;
  • Resiliência – é necessário ser capaz de retornar às condições iniciais, quando adversidades e mudanças do ambiente / mercado tendem a minar ou afetar negativamente o profissional;
  • Independência – no sentido de saber que passos tomar, pois não há o acompanhamento de um gestor orientando-o e apresentando direcionamentos.

Dicas de como ter sucesso

Naturalmente o sucesso de algo pode ser relativo, mas a obtenção de resultados que lhe garantem desenvolvimento e melhorias permanentes, já podem ser consideradas uma medida apropriada do sucesso obtido.

Um dos pontos mais importantes, é também um princípio de vendas, ou seja, buscar meios para garantir clientes. Na prática um freelancer é também um pouco vendedor. Em parte ele deve saber gerar e manter uma boa rede de contatos e instituir práticas de Marketing  de Relacionamento.

De outra parte, seu trabalho, seus resultados e seu profissionalismo vão garantir que esta rede se mantenha e se amplie por meio de indicações, que só acontecem se houver satisfação de seus clientes.

Outro ponto vital, é o profissional que o freelancer é. Em outras palavras, é o conhecimento que tem, sua experiência, o cumprimento dos prazos, a responsabilidade pelo que é feito e como é feito, são as garantias que dá e cumpre e o trabalho propriamente dito, que vai ser avaliado pelo cliente.

Por fim, mas não menos importante, o freelancer deve saber valorizar seu trabalho, precificando-o justamente e deve buscar o desenvolvimento contínuo para sempre poder oferecer o melhor ao seu cliente, agregando valor no que faz e sendo condizente com o preço estipulado.

Se há o objetivo firme de atuar permanentemente como freelancer, deve-se considerar atuar como MEI, que permite o registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) e assim pode-se emitir nota fiscal, que muitas vezes é exigência para prestar serviços para grandes empresas. Mais informações podem ser obtidas no Portal do Empreendedor.

Vantagens do trabalho freelance

O trabalho freelance ou como freelancer, trás algumas vantagens, como a flexibilidade para se poder escolher como e quando desenvolver as atividades. Isso acaba significando qualidade de vida quando o profissional sabe administrar suficientemente bem seu tempo para produzir o que precisa e ainda ter tempo e consequentemente poder usufruir dele.

Outro ponto que costuma ser destaque, está relacionado às possibilidades de ganho. Se em um trabalho fixo, o salário também é, como freelancer a pessoa pode ter remunerações maiores, que naturalmente têm relação também com seu desempenho, dedicação e qualidade do que faz, entre outros fatores.

Em relação a determinadas formas de empreendedorismo, exige-se pouco investimento. Também há menores gastos que normalmente um empregado normalmente tem, como transporte, vestuário e alimentação.

A autonomia e a independência de poder conduzir o trabalho e sua rotina diária da forma que julgar mais conveniente e do modo mais confortável e agradável, desde que não haja comprometimento dos resultados finais, é outro ponto que leva as pessoas a optarem por atuar desta forma.

Desvantagens do trabalho freelance

Um dos aspectos mais citados por aqueles que preferem os modelos tradicionais, em detrimento da atividade freelance, está a estabilidade, que garante que aquele valor mensal está garantido, bem como alguns direitos trabalhistas, como FGTS e contribuição para previdência pública, para citar o mais básico.

Sem um planejamento financeiro rígido e bem estruturado, bem como uma remuneração que possibilite isso, o freelancer não tem férias, feriados, licenças e outros períodos que são garantidos ao assalariado. Também não tem aposentadoria.

Há uma lista que pode crescer dependendo do porte da empresa e da sua política de recursos humanos e que começa com as garantias básicas de todo trabalhador, como por exemplo, vale-transporte, descanso semanal remunerado e se estendem a benefícios como assistência médica, plano de previdência privada, vale-alimentação e refeição, entre outros.

O ponto com avaliação mais lamentável, tem efeitos mais amplos, pois refere-se ao empregador que faz deste tipo de relação, não algo eventual e necessário, mas uma forma de burlar a legislação, pagando menos impostos e assim contribuindo menos para a expansão do mercado de trabalho e consequentemente da economia.

Conclusão

O freelancer é o trabalhador que desenvolve atividade remunerada em caráter temporário, geralmente definida por projetos ou trabalhos individualizados de curta duração. Como em todos os segmentos, incluindo aqueles em que há a relação formal, exige-se que tenha uma série de qualidades e aptidões, bem como oferece vantagens e desvantagens.