Nômade digital: o que é e como se tornar um?

Ainda não é comum se ver ou ouvir que alguém é um nômade digital, mas o termo vem ganhando lugar em vários nichos de mercado e em algumas áreas deve se tornar popular mais rapidamente do que em outras. Se você é um dos muitos que ainda não sabe o que é um nômade digital, após ler o que preparamos para você, talvez queira se tornar um.

Entendendo o que é um nômade digital

A compreensão de muitos termos e expressões que são usadas, passa por conhecer o significado oculto por trás das palavras que os compõem. A primeira palavra do nosso termo, não é tão comum nos dias de hoje e talvez por isso exista dificuldade para muitas pessoas compreenderem o que é. Possivelmente a última vez que muitos de nós ouvimos sobre nômades, foi em alguma aula de história. Então vamos voltar um pouquinho no tempo?

É possível arriscarmos dizer que a aula em que seu professor empregou o termo, foi algo relacionado à História antiga, visto que há atualmente poucos povos nômades e este era um comportamento – o nomadismo – mais comum quando a caça e coleta de alimentos e a criação de animais em pastagens ainda eram as atividades predominantes.

Dá-se o nome de nômades aos povos ou grupos de pessoas que não fixam moradia em um lugar, mas que mudam-se com frequência. Isso ocorria quando a caça e os alimentos na região em que habitavam escasseavam ou quando havia necessidade de novas pastagens para o gado que era criado por eles. Outro fator menor que também era motivador do nomadismo, era o climático, forçando o homem a mudar-se no inverno, em regiões em que a estação fria era mais rígida e tinha impactos mais severos sobre o modo de vida.

Com o tempo e o desenvolvimento da agricultura por parte do homem, as populações nômades habituaram-se a fixar-se em uma terra, abandonando assim o comportamento migratório ou errante que antes as caracterizavam.

Já o termo digital está associado a utilização de meios digitais para se fazer algo. Entende-se geralmente como meios digitais, aqueles relacionados à tecnologia digital, como por exemplo, computadores e smartphones e todo dispositivo eletrônico que se conecte à Internet ou a determinadas redes ou meios digitais de comunicação.

O termo é novo, mas a atividade não

É certo que hoje as novas tecnologia e as atividades profissionais que surgiram em virtude destas tecnologias, bem como dos novos mercados, com suas exigências e características, favoreceram o aumento de atividades profissionais com características nômades, mas historicamente temos alguns profissionais que já desenvolvem um comportamento nômade há muito tempo.

A atividade diplomática e consular, existe há séculos e tem como uma das suas características a migração. Diplomatas e cônsules têm por hábito viver por alguns anos em algum país e após um breve período, são transferidos para outros países, de acordo com os interesses e políticas de cada governo local e ao qual representam.

Jornalistas, mais notadamente os correspondentes internacionais de jornais e emissoras de televisão, habitualmente vivem por algum tempo em um país, até que o órgão de imprensa para o qual trabalham lhes alocam em outros países para realizar a cobertura de algum evento como guerras, olimpíadas ou fatos que mereçam uma cobertura presencial importante.

Representantes comerciais, engenheiros, profissionais diversos que prestam serviços a instituições e organizações de atuação global como Cruz Vermelha Internacional ou WWF, são exemplos de pessoas que levam uma vida nômade em decorrência do que fazem profissionalmente. Um médico da Cruz Vermelha, pode passar anos viajando entre países, sem retornar para seu país natal.

Porém nem todos eles são exemplos de nômades digitais, porque para sê-lo, a atividade deve ser primordialmente executada usando meios digitais. Aqueles que residem temporariamente em diferentes localidades, mas realizam seu trabalho presencialmente, são apenas e em certa medida, nômades profissionais.

Os tipos de trabalho mais adequados ao nômade digital

Há atividades profissionais que tem aspectos que favorecem ser um nômade digital. Por princípio, imagina-se que tudo que não exige a presença física, mas que ao contrário pode-se fazer profissionalmente usando um meio digital, é propício para atuação como nômade digital. Há ainda muitas empresas que adotam o modelo convencional, mas já poderiam delegar a muitos colaboradores a forma remota de trabalho, mas não o fazem por diversos motivos.

No entanto, há inúmeros trabalhos tradicionais que podem ser feitos remotamente, como o já citado trabalho de jornalista, o fotógrafo de eventos, o professor, o consultor de muitas áreas e até mesmo um médico consegue operar remotamente um paciente, graças às tecnologias existentes.

Entre as novas atividades que surgiram nos últimos anos e em particular as que vieram com o advento da Internet, temos o webdesigner e a criação de sites, o programador, o produtor de conteúdo digital para diferentes mídias, consultores de Marketing digital, ou fazendo Marketing de afiliados, só para citar algumas poucas.

Na verdade, não há como elaborar uma lista precisa, pois desempenhar o papel de um nômade digital depende apenas de poder efetuar um trabalho remotamente a partir de diferentes localidades. Se você dispõe de tecnologia para lhe conectar com quem lhe paga pelos serviços feitos, você pode estar em Nova Iorque, Tóquio ou em uma cidade do interior do Brasil em cada um dos momentos em que entrega seus trabalhos.

Vantagens e desvantagens do trabalho como nômade digital

Até agora pareceu ótimo o trabalho feito desta forma e imaginar que você pode fazer uma videoconferência relativa a um novo projeto em um hotel em Dubai e entregá-lo antes de embarcar em um iate na Costa Amalfitana, pode parecer romântico e quase cinematográfico, mas na realidade, como tudo na vida, há prós e contras.

O primeiro ponto, é justamente ser realista. Há vantagens e benefícios que podem ser bastante sedutores, mas é um trabalho como outro qualquer. Seu retorno dependerá muito dos resultados que entregar e de quem é você profissionalmente.

Entre as principais vantagens deste tipo de atuação profissional, consta a flexibilidade que se adquire ao não ter que desempenhar uma atividade com dias e horários fixos. Você não tem que bater ponto como a maioria das pessoas, porém sempre terá prazos a cumprir para entregar os trabalhos, projetos ou jobs, como costumam ser chamados.

A flexibilidade traz consigo também qualidade de vida, na medida em que você pode determinar quando fará o que é relacionado ao trabalho e quando poderá dedicar seu tempo a outras questões. O fato de não se perder tempo com deslocamentos para a empresa, é outro ponto alto e que contribui para a qualidade de vida, particularmente quando se reside em grandes centros urbanos. Mas a confiança e liberdade que lhe dão, deve vir acompanhada de pontualidade.

A rotina é outro fator importante, ou mais precisamente a ausência dela. Rotina gera monotonia, cansaço e desmotivação e não tê-la, constitui um privilégio nos dias de hoje. Poder conhecer novos lugares, novas pessoas, culturas e realidades, é enriquecedor e estimulante. Por outro lado e por contraditório que possa parecer, criar vínculos sociais é mais difícil, já que parecerá que você está eternamente despedindo-se das pessoas toda vez que parte para uma nova cidade.

O nômade digital tem independência na condução da sua vida e em alguns casos, também independência financeira, quando consegue fazer com que a flexibilidade conquistada, permita-lhe desenvolver-se profissionalmente e tornar-se um profissional mais valorizado perante o mercado. Em contraposição, se por alguma razão não consegue oportunizar sua condição, não dispõe da segurança e previsibilidade que os empregos convencionais podem lhe prover.

O próprio nomadismo em si - dependendo da ótica e do que as pessoas envolvidas mais valorizam - pode ser bastante desgastante, principalmente quando se constitui um núcleo familiar - marido, mulher e filhos. Se todos o acompanham, há a necessidade de adaptação de todos às novidades constantes. Se a família permanece fixa e apenas o nômade mantém-se errante, o distanciamento físico pode abalar os laços e relações familiares. Por esta razão, em termos práticos é mais comum encontrar pessoas solteiras atuando assim.

Naturalmente nem tudo pode ser classificado exclusivamente como ponto positivo ou negativo. Há pessoas para as quais este caráter migratório constante, que as impede de criar vínculos mais profundos, é determinante para as afastarem deste tipo de atividade. Para outras, é justamente o que as atrai.

Características pessoais e profissionais desejáveis em um nômade digital

Não se trata de pré-requisitos fundamentais, mas há características que se presentes na pessoa e no profissional, podem contribuir favoravelmente ao seu sucesso atuando como nômade digital.

Há muitos pontos que aproximam o nômade digital da atuação dos freelancers e muitas vezes um nômade é também um freelancer, embora a recíproca não seja verdadeira, se este tem residência fixa. Assim, se você vê que tem condições e gostaria de atuar como freelancer, já é um bom indicativo de que pode atuar como nômade digital.

A disciplina, assim como a responsabilidade, são características de muito peso para quem pretende enveredar-se por esta área. Não cumprir dias e horários em um escritório físico da empresa, sob a supervisão e os olhos de um gestor, exige do profissional que trabalha de forma independente, que saiba muito bem o que e quando deve ser feito.

Diferentemente da independência como condição, é preciso saber ser independente, já que nesta forma de trabalho, não há a colaboração e participação de outras pessoas, da mesma forma que se dá quando se compartilha o ambiente profissional.

Estar sempre recomeçando a cada mudança, exigirá do nômade capacidade de adaptação ao novo, velocidade para reagir aos imprevistos, planejamento, versatilidade e certa dose de paciência. Tudo isso é colocado a prova toda vez que desembarcar em uma nova cidade, mundo afora.

Certamente não é o modelo de vida de pessoas com perfis mais conservadores e que presam pela segurança, estabilidade e previsibilidade. Ser nômade é precisar de renovação, de constantes desafios, novos ares, pessoas, ideias e comportamentos. Pode ser assustador ou fascinante, dependendo de quem você é!

Conclusão

O nômade digital, é o trabalhador que atua remotamente usando meios digitais para exercer suas atribuições profissionais e que não tem residência fixa, mas que por tal condição, sabe aproveitar o conhecimento, a experiência e as vantagens de ser um cidadão do mundo, adaptando-se e renovando-se continuamente.