Live Marketing: O que é e como fazer?

Há quem diga que hoje o Marketing é um grande guarda-chuvas sob o qual repousam várias de suas vertentes e entre as muitas, o Live Marketing.

O termo é quase autoexplicativo, se você tem um mínimo conhecimento do que é Marketing e do significado de live.

No entanto, se você não tem a menor ideia do que seja ou quer saber mais sobre o assunto e como usar das estratégias que essa alternativa pode oferecer ao seu negócio, então esse artigo é para você!

O que é Live Marketing?

A popularização do termo é recente e ganhou mais força em 2020, por razões que logo você vai ver.

Mas conceitualmente ele não é tão novo assim.

Se você pensou nas “lives” que ganharam o mundo de forma nunca antes vista, como resultado do isolamento social decorrente da pandemia do coronavírus, você encontrou um dos exemplos de como isso pode acontecer. Mas não é a única manifestação ou forma de fazer Live Marketing.

Pessoas, artistas, empresas têm apostado nas populares lives, como forma de se aproximarem de públicos diversos, em tempos que o distanciamento social tornou-se necessário. E a necessidade mostrou a muitos como tirar proveito dessa ferramenta para fazer Marketing.

Não que já não se soubesse que era possível e proveitoso. Mas a partir do momento em que se tornou praticamente a única opção de muitos, ficou evidente o que alguns ainda não haviam experimentado.

Ao traduzirmos ao pé da letra o termo, temos que se trata de “Marketing ao vivo”.

Podemos conceituar o Live Marketing como o desenvolvimento de ações de Marketing voltadas a um público de interesse, em tempo real.

Com base nesse conceito, o Live Marketing já existe há décadas, embora no passado não era assim designado.

Desde os anos 80 e até antes de forma mais eventual, o pessoal de Marketing já desenvolvia ações que hoje poderiam ser chamadas de Live Marketing, em feiras e exposições diversas. Os mais velhos e que visitaram alguma, hão de se lembrar o que acontecia ao caminhar por entre os stands dos diferentes expositores.

Apresentadores, garotos propaganda, vendedores, enfim profissionais com desenvoltura e bom conhecimento do produto / serviço promovido, chamando o público a experimentar, ter uma amostra grátis, ver uma demonstração ou apresentação, ou qualquer outra ação para conseguir envolvimento, relacionamento, experiência e por fim, estimular o consumo do item promovido.

Décadas se passaram e ainda não é muito diferente, exceto pela presença e disponibilidade maior de tecnologia ao alcance do Marketing das empresas, que favorece tanto ações mais criativas e sofisticadas, como também uma coleta de informações mais ampla e útil ao desenvolvedor das ações.

Há quem chame aquelas ações do passado, de Marketing Promocional.

Mais recentemente e com adoção cada vez maior do Marketing Digital, as mesmas ações porém mais ricas, complexas e poderosas, na medida em que fornecem um acervo de dados para avaliação mais amplo e com interpretações mais rápidas e seguras, algumas vezes até fazendo uso de Inteligência Artificial e Machine Learning, isso tudo vem sendo chamado de Live Marketing.

Por essa razão, há quem defenda que um é a evolução do outro, graças ao ferramental e a convergência que as diversas tecnologias oferecem.

O que é importante perceber, independente da nomenclatura que se dê, é o poder e a utilidade prática do Live Marketing.

Ao desenvolver ações de promoção de produtos e serviços, estimulando a experimentação, o contato, aplicando conceitos de Marketing de Relacionamento, as empresas podem observar em tempo real as reações do público ao qual o produto / serviço é exposto.

No final de tudo, o que se tem é um engajamento maior da audiência que se quer alcançar.

Por que fazer Live Marketing?

Responder a essa uma pergunta, é para aqueles que não se contentam com um simples: “porque dá resultados”!

Dependendo do que você compreendeu – ou não – sobre Live Marketing, você mesmo será capaz de responder.

A verdade é que o Live Marketing permite enxergar em tempo real como possíveis consumidores reagem ao que é exposto. Por isso há quem também diga que em algum momento pode ser chamado de Marketing de Experiência, porque baseia-se na experiência que vive o consumidor junto à marca.

Vamos tomar como exemplo, uma live do lançamento de um smartphone. Muitos aparelhos foram lançados nesse período de pandemia e por meio desse recurso tecnológico, foram apresentados ao mundo.

Foi assim que em agosto de 2020, a Asus apresentou o ZenFone 7.

Mesmo sendo na madrugada do Brasil, o evento conseguiu reunir jornalistas especializados, influenciadores digitais e muitos fãs da marca. Em plena madrugada, o chat disponível a quem conseguiu participar, registrou maciça participação dos brasileiros.

Ou seja, durante cerca de 2 horas, o fabricante taiwanês de eletrônicos transformou um problema em uma oportunidade e esmiuçou tudo sobre o novo produto da marca.

Se antes da pandemia os lançamentos eram restritos a uns poucos que tinham a possibilidade de ir ao evento presencial em Taiwan, agora o mundo em tempo real pôde ver e desejar o novo produto que chegou ao mercado.

Mais do que isso, ao atentar ao simples chat disponível durante a apresentação, era possível saber as impressões, as dúvidas, as opiniões e tudo o que os participantes escreviam. Hashtags surgiam no decorrer do evento, evidenciando outro recurso que pode potencializar a ação – as redes sociais.

Pouco depois de terminada a live e já era possível encontrar canais do YouTube, blogs de tecnologia, sites especializados e nas redes sociais, um amplo arsenal de informações do ZenFone 7, comprovando o sucesso da ação.

Não há evidencia maior do que essa do engajamento que uma ação de Live Marketing bem executada pode produzir.

Como fazer Live Marketing?

Você não vai se contentar com uma resposta como: “de muitas maneiras”!

Mas a verdade é essa. Não há um só jeito ou um conjunto único de ações que vai garantir que você esteja fazendo Live Marketing e consequentemente, obter um resultado pré-definido.

A melhor forma de entender as possibilidades, é por meio de exemplos.

Entre todos os que aderiram ao formato das lives usando a Internet, estão os músicos. Dos mais aos menos populares, todos usaram esse recurso como meio de se aproximarem de seus fãs e de certa forma preencher a lacuna deixada pelos shows presenciais.

Os pretextos para realizá-las, foram os mais diversos. Do lançamento de uma simples música, ao lançamento de um novo disco. Ou apenas a comemoração do aniversário do artista, como foi o caso da cantora Gal Costa.

Entre o muito que se pode fazer, está a interação com o público, especialmente os fãs que acompanham os artistas nas redes sociais. Muitos pedem sugestões do que os fãs gostariam de ouvir. E pelas mesmas redes sociais e/ou pela plataforma usada para a live, medir a reação e a interação.

No chat ao vivo, os fãs dizem espontaneamente o que cada música representa, cantam junto, emocionam-se!

A fabricante de automóveis Fiat, também é outro exemplo que merece ser citado. Usando o seu canal no YouTube, em 26 de junho de 2020, também fez uma longa live de mais de 40 minutos, tendo como pano de fundo o lançamento da Nova Strada.

A apresentação teve milhares de visualizações e permitiu ao fabricante um apanhado completo do produto, com informações desde a sua concepção, até a experiência de motoristas conduzindo-a. Ao utilizar a plataforma do YouTube, pôde ainda colher impressões do público em tempo real.

Aproveitando a carona – sem trocadilho com o alvo da ação de Marketing – veículos de imprensa especializada e até mesmo concessionárias da marca, retransmitiram em seus canais o lançamento, servindo também de meio para alavancarem suas visitações. Os principais veículos também conseguiram expressivo volume de visualizações.

Ainda no mês de setembro de 2020, o Pe. Marcelo Rossi foi outro que recorreu ao alcance e facilidade que o YouTube oferece para usar este tipo de formato, no lançamento do seu novo livro – Batismo de Fogo.

Mas não é só por meio de transmissões ao vivo pela Internet que se faz Live Marketing.

A HostMídia nos eventos e feiras de que participou, já desenvolveu ações que iam desde a disponibilização de um QR Code em seu material de apresentação e no stand da empresa, que uma vez lido pelo smartphone dos visitantes premiava-os com brindes e descontos especiais em nossos serviços, até ações de patrocínio de planos personalizados de hospedagem para ideias inovadoras e empreendedores.

Um dos biscoitos recheados mais famosos do mundo, também aderiu. Na verdade foi um dos pioneiros em uma iniciativa que na época foi ousada.

No festival de música e filmes SXSW de 2014, possibilitou aos visitantes criar seus próprios Oreos personalizados, feitos na hora por uma impressora 3D, com 12 opções de sabores e cores, com base em tendências observada no Twitter, sob a hashtag #eatthetweet.

No mesmo SXSW, porém de 2017, foi a vez da Gatorade inovar usando o Live Marketing. Ela criou vários desafios virtuais, usando por exemplo, o Xbox Kinect, entre outros recursos, para testar as habilidades, os reflexos, a flexibilidade e até a resistência dos visitantes.

Os dados colhidos foram submetidos a um sistema de inteligência artificial e apresentados a cada participante como forma de incorporar em suas vidas e obter melhores resultados.

E entre as muitas ações, das mais criativas, às mais ousadas, uma entrou para o livro dos recordes Guinnes.

Em 2012, a Red Bull levou seu Marketing de Conteúdo ao extremo, no que ficou conhecido como projeto Stratos.

Felix Baumgartner, um paraquedista da Áustria iria estabelecer o recorde para um salto de 128.000 pés (mais de 39000 metros!) acima da superfície da Terra.

Para conseguir o intento, a Red Bull enviou Felix para a estratosfera dentro de uma cápsula especialmente criada para o desafio, usando um grande balão cheio de hélio.

O evento foi transmitido ao vivo em 14 de outubro de 2012 e na ocasião alcançou o maior volume de visualizações entre todas as transmissões ao vivo no YouTube, com mais de 8 milhões de pessoas. Atualmente o vídeo já tem mais de 46 milhões de visualizações!

O slogan da empresa nunca foi levado tão a sério como nessa ação!

Conclusão

O Live Marketing embora constitua algo razoavelmente recente, faz parte de um amplo conceito já aplicado há muito tempo por profissionais do Marketing, mas que ganhou ainda maior alcance e resultados mais significativos com o crescimento do Marketing Digital e das tecnologias disponíveis.

Comentários ({{totalComentarios}})