Originalidade de conteúdo – 10 dicas para criar conteúdo 100% original

O que é conteúdo original?

Bem, essa pergunta tem uma série de desdobramentos importantes tanto para a produção de conteúdo para sites de quaisquer tipos, quanto para o trabalho de Marketing de Conteúdo, consequentemente de SEO, de Marketing Digital e até mesmo do engajamento e da fidelização dos visitantes e logo tudo isso vai ficar mais claro.

A produção de conteúdo verdadeiramente original em seu sentido mais amplo, é fundamental para as pretensões de qualquer responsável pelo assunto e por isso, além de abordar os diferentes porquês, vamos dar 10 dicas preciosas de como produzir conteúdo verdadeiramente original.

Para começar, vamos do começo, por mais redundante que pareça...

O que é conteúdo original?

Conteúdo original é aquele que tem como característica ser único. Mas ser único na Internet, onde há inúmeros sites que tratam dos mesmos assuntos, pode parecer uma tarefa complicada ou mesmo impossível em alguns casos.

Mas essa não pode e nem deve ser uma justificativa para você fazer o que muita gente equivocadamente faz.

Para responder essa pergunta de modo mais prático aos nossos propósitos, vamos pensar na palavra origem.

Origem pressupõe uma série de situações, como nascimento, surgimento, início de algo e, sobretudo, para as nossas pretensões, ser o primeiro.

Ou seja, com o passar do tempo até pode haver iguais, mas o original é o que começou tudo, o que pode ser considerado o desencadeador, o ponto de partida. E isso para os mecanismos de busca, faz toda a diferença. Para os visitantes, também. E até para os concorrentes!

E isso – a origem ou a originalidade – leva a outro ponto essencial.

Por que conteúdo original é importante?

Originalidade confere autoridade, relevância, diferenciação ao conteúdo.

São três características que são fundamentais quando pensamos em otimização para mecanismos de busca ou SEO (Search Engine Optimization).

Qualquer mecanismo de busca leva em consideração o quão original é um conteúdo, a tal ponto que quando seus algoritmos identificam duplicidade ou cópia de conteúdo, aquele que não é o primeiro, acaba sendo penalizado com perda de posicionamento.

Para além dos mecanismos de busca, conteúdo original também influencia o conceito que a audiência tem a seu respeito.

Não importa o tema que lhe atrai, se são automóveis, gastronomia, música ou tecnologia. Sites que conseguem entregar diferenciação, originalidade, autenticidade, ganham no seu conceito e na imagem que se tem deles.

Além do que, não há como imaginar um bom trabalho de Inbound Marketing, sem originalidade do respectivo conteúdo.

Por outro lado a mesmice, coloca o “resto” todo em um mesmo tacho. Como se espera que se consiga conversão, engajamento da sua audiência, se o que você oferece é exatamente igual a todo mundo?

E se essas já não fossem razões suficientemente boas, ainda há mais – a ética.

Não é certo, não é justo e nem mesmo honesto, colocar um conteúdo que parece cópia de outro site. E a cópia nem mesmo precisa ser literal ou a reprodução idêntica, para que se configure como tal.

Quando isso acontece, pode ficar caracterizado o plágio de conteúdos, o que é muito grave.

Como criar conteúdo original para o site?

Essa é naturalmente a pergunta que você deve estar se fazendo, afinal parece quase impossível pensar nos dias de hoje, algum conteúdo o qual já não exista uma boa quantidade de sites que os tenha trabalhado.

É verdade!

Mas conteúdo original, não é necessariamente aquele que é inédito, embora todo o que é inédito, é por consequência óbvia, também original.

Pode-se conseguir originalidade de diversas formas, como por exemplo, no jeito como um tema é tratado. Na forma como são transmitidas as informações. Nos formatos como os dados são apresentados. E naturalmente também no grau de ineditismo contido no conteúdo.

Quanto mais desses e de outros aspectos são combinados na produção de um determinado conteúdo, mais originalidade se consegue conferir a ele.

Então vamos ao que interessa...

10 dicas para criar conteúdo original

Vamos colocar em termos práticos as dicas que se combinadas – algumas obrigatoriamente – aumentam nossas chances de produzir conteúdo original.

1. Planejamento de conteúdo

Não há como se pensar em originalidade se a produção do seu conteúdo não passa por um bom planejamento.

Quando se pensa em planejamento de conteúdo, aspectos como persona a qual o conteúdo deve satisfazer, são necessariamente o ponto de partida e que vão produzir desdobramentos importantes, tais como:

  • Especificidade do tema – quando você consegue ser mais específico em relação a um tema ou assunto que outros sites, seja por não ser genérico ou superficial, consegue-se diferenciação e originalidade. Ser mais específico pode deixar de trazer alguns visitantes, mas diminui a taxa de rejeição e aumenta a taxa de conversão, porque há mais chances de se entregar o que o visitante buscava;

  • Cluster de conteúdos – em vez de criar apenas um conteúdo englobando o máximo de informações sobre o tema, ao criar um cluster (aglomerado), consegue-se criar vários conteúdos que se relacionam mutuamente. Torna o consumo mais fácil, porque dá ao visitante a possibilidade de escolher qual “porção” do conteúdo ele vai consumir e quando ele o fará, além de permitir maior especificidade e da natural diferenciação em relação aos que adotam uma abordagem mais ampla e generalista;

  • Programação – a programação de quando cada conteúdo será publicado, permite antecipar questões como a pesquisa, a eventual carência de conteúdos, a preparação para temas mais complexos e que exigem coleta de informações, produção de formatos alternativos de conteúdo, entre outras situações que só se consegue enxergar, quando se sabe antecipadamente o que se deve fazer.

2. Abordagem e enfoque

Abordagem e enfoque é possivelmente dos aspectos mais efetivos para conferir diferenciação.

O caminho e os recursos usados para percorrer esse caminho, correspondem a abordagem. Abordagem, é o conjunto de técnicas de comunicação que são usadas para apresentar uma ideia, um conceito, um tema.

Já o enfoque, consiste dos aspectos que recebem destaque ou mais atenção na abordagem utilizada.

Ao adotar abordagens e enfoques próprios para tratar um tema, consegue-se a buscada originalidade.

A forma como nós construímos o presente artigo, desde a pergunta inicial, os raciocínios que utilizamos, a sequência lógica em que cada dica está sendo apresentada e os relacionamentos que eventualmente existem, constituem a abordagem que escolhemos para o tema “originalidade de conteúdo”.

3. Analogias e exemplos

O uso de analogias e exemplos, é antes de mais nada um recurso didático, que visa facilitar a compreensão dos conceitos apresentados.

Mas é também um meio de dar originalidade a um conteúdo.

Buscar suas próprias analogias e ter criatividade na escolha dos exemplos, muitas vezes também ajuda no processo de enxergar diferentes maneiras de tratar um assunto. Ou seja, recai na dica anterior – abordagem e enfoque.

Especialmente questões mais abstratas ou assuntos que são mais complexos, o uso de analogias e exemplos além de necessários sob o ponto de vista didático, ajudam a tornar o seu conteúdo único.

4. Terminologia, etimologia e semântica

Dicionários técnicos ou tradicionais, podem servir de importante fonte inspiradora.

O estudo do significado (semântica), da origem (etimologia) e de terminologias, especialmente – mas não somente – as técnicas, pode ajudar na compreensão de conceitos associados a um tema.

Por exemplo, em nosso artigo sobre o que é tecnologia, a etimologia da palavra é o ponto de partida para a construção do assunto e ajuda a compreender a sua significação mais ampla, além de romper com alguns conceitos equivocados e restritivos quando se pensa nesse verbete.

Na verdade, boa parte da abordagem adotada no texto da postagem, apoia-se na etimologia.

E se já não fosse razão bastante boa, uso adequado de terminologia, bem como da semântica e etimologia das palavras, ajuda na criação de conteúdo mais educativo, mais correto, mais esclarecedor, o que muitas vezes também é fator de diferenciação.

Não há dúvida quanto à quantidade e diversidade de informação na Internet. Não se pode dizer o mesmo em relação à qualidade, especialmente de alguns assuntos. Afinal, quantas vezes encontramos conteúdos que não cumprem sua função primária e além disso, produzem novas dúvidas e perguntas? É menos raro do que deveria.

5. Linguagem

A linguagem é um pouco do muito que vimos até agora, mas é também a gíria, o estrangeirismo, o neologismo, os sinais de trânsito e os emojis, as figuras de linguagem e demais recursos que são empregados com o objetivo de produzir comunicação eficaz.

Ela muda de acordo com os grupos sociais, com o nível cultural, com o passar do tempo, para citar apenas alguns fatores de influência.

Assim, escolher uma linguagem afinada com a persona a qual se destina seu conteúdo, além de produzir aproximação, identidade e demonstrar respeito ao seu visitante, pode ser um fator de diferenciação.

Sites que usam uma linguagem impessoal, inacessível e até mesmo incompreensível algumas vezes, existem aos montes. Os que falam para você e para muita gente, não são tantos assim.

Linguagem também é caminho para outro fator de originalidade e que é a identidade.

6. Identidade

Identidade é o fator que o distingue dos demais. Um site e seu conteúdo, devem criar uma identidade, também em termos visuais, mas especialmente em relação ao seu conteúdo.

A forma como você apresenta os conteúdos, a linguagem que utiliza, o estilo no uso das palavras e quais você escolhe para usar, as linhas de raciocínio adotadas ao expor as ideias, são alguns dos pontos de construção da identidade.

Possivelmente é dos aspectos mais difíceis de se conseguir, pois identidade se consolida com o tempo.

É ao longo desse tempo que a “cara”, o “jeito”, o aspecto que o conteúdo assume e que é próprio, vai permitir que um visitante consuma um conteúdo qualquer e pense: “esse é um típico conteúdo do site X”.

7. Escassez de conteúdo

Escassez ou carência de conteúdo, é a situação em que um determinado conteúdo não é abordado por outros sites “concorrentes”, ou quando o é, não é devidamente. Pode ser a situação de até haver conteúdo, mas ele ser superficial, por exemplo.

Conteúdo escasso ou que é carente, também pode ser uma questão de abordagem.

Assim, se todos os sites abordam apenas as vantagens de algo, criar um conteúdo que trate das desvantagens, ou dos cuidados que é preciso ter, é um fator de diferenciação.

Outra possibilidade para esse ponto, é a já mencionada especificidade. Se os seus concorrentes são generalistas, produza conteúdos com maior grau de especialização e com isso consegue-se preencher as lacunas de conteúdo, ao mesmo tempo que aumenta a originalidade do mesmo.

8. Pesquisa

É fundamental pesquisar muito!

Quando falamos em pesquisar, queremos dizer que você deve ler muita coisa, de muitos autores diferentes. Assistir diferentes vídeos. Ouvir outros tantos podcasts. Ver infográficos, estatísticas, estudos e tudo o que conseguir sobre o tema que irá desenvolver.

Ao colocar o cérebro em contato com muita informação sobre um tema de interesse, primeiramente você o enriquece com dados sobre o assunto, mas também com diferentes pontos de vista (abordagens e enfoques), afinal desde que as fontes de conteúdo também sejam originais, cada um tem um jeito de colocar ideias em palavras.

Esse enriquecimento favorece o brainstorming, que é um caminho para novas abordagens e até mesmo descoberta de lacunas de conteúdo.

Só quando se tem muita informação sobre algo, é que fica mais fácil desenvolver seus próprios conceitos, ideias e visões do assunto.

Por fim, mas não menos importante, as pessoas atualizadas são também as que têm maiores chances de serem as primeiras a tratar das coisas novas e, portanto, com ineditismo e como já mencionamos, é um caracterizador inegável de originalidade.

9. Storytelling

O storytelling é mais do que uma técnica que ajuda a vender e a produzir conteúdo.

Boas estórias são um caminho para produzir empatia, para cativar, para conferir praticidade e utilidade ao tema envolvido, para melhorar a didática e são ainda um ótimo meio de dar distinção a um conteúdo.

Da mesma forma que no caso da identidade, aplicar de modo adequado o storytelling, requer tempo e também experiência.

Produzir estórias alinhadas com o conteúdo, requer uma boa dose de talento e empenho do autor, mas quando se consegue o que era pretendido, têm-se também abordagens e enfoques únicos, construção de identidade e naturalmente, originalidade.

10. Formatos de conteúdo

Diversidade de formatos de conteúdo, é um fator de originalidade.

Cada formato ou tipo de conteúdo (texto, imagens, vídeo, podcast, infográfico, etc) é mais adequado a propósitos específicos de consumo, como também a diferentes personas.

Assim, ao combinar diferentes formatos, além de ampliar o alcance do conteúdo, consegue-se aumentar o grau de originalidade do conteúdo em relação aos concorrentes que privilegiam um formato específico.

Conclusão

Através de algumas práticas a produção de conteúdo original torna-se bastante simples e como consequência se tem melhor posicionamento orgânico nos sites de busca, produz um melhor resultado perante os visitantes e constitui um trabalho mais profissional e ético.

Comentários ({{totalComentarios}})