A Webcam e o crescimento da Internet

Qualquer smartphone tem pelo menos duas câmeras, no seu notebook há uma, em praticamente qualquer estabelecimento comercial existem câmeras, os caixas eletrônicos também têm, nas ruas e nas estradas há várias e talvez até no quarto do seu bebê, há uma para monitorá-lo. Mas não foi sempre assim. Saiba como as webcams tiveram papel decisivo no crescimento da Internet e de muitas tecnologias que hoje estão presentes no nosso quotidiano.

O surgimento da webcam

A realidade de um mundo vigiado e capturado por câmeras, era outra bem diferente há pouco mais de 30 anos atrás. Se hoje elas se espalham aos montes, com as mais diversas propostas, houve um tempo em que destinavam-se exclusivamente a tirar fotos e fazer vídeos e inclusive eram exclusivas. Ou eram feitas para fotografar ou para filmar, mas não ambos.

As câmeras de vigilância já existiam com razoável emprego, nos anos 80, mas restritas a algumas poucas empresas que precisavam incrementar seus esquemas de segurança, mas ainda eram analógicas, de baixa resolução e utilizadas em circuitos fechados de TV. Muito diferente do que temos hoje com o mesmo propósito.

Foi então que no início dos anos 90, na Universidade de Cambridge alguém teve a ideia de instalar uma câmera cuja imagem estaria disponível aos pesquisadores do Departamento de Ciências da Computação e cujo objeto de observação, era uma garrafa de café. Sim, os pesquisadores eram grandes consumidores de café e desta forma, eles poderiam saber quando houvesse café pronto, sem terem que interromper seus importantes trabalhos a todo instante para checar se havia café.

A ideia ganhou motivação comercial e em 1996, a primeira câmera que podia ser ligada a um computador para capturar imagens, surgiu para um Macintosh. Ela produzia apenas imagens em preto e branco e tinha resolução de 320×240 pixels. Em 1998, a Logitech comprou o projeto e começou a produzir em larga escala as primeiras webcams dentro do conceito que mais tarde as popularizaram.

As primeiras webcams não eram baratas e estavam longe da qualidade de imagens que temos hoje. Mas mesmo assim, rapidamente tornaram-se objeto de desejo de muitos. Se antes passar uma foto para um computador exigia tirar-se uma foto em uma câmera analógica, esperar alguns dias ou pelo menos horas pela revelação, colocá-la no scanner, agora com as webcans, alguns poucos cliques resolviam a questão.

Na mesma época a Internet ganhava o mundo e sites começavam a pipocar por todas as partes. Entre sites de diversos tipos de conteúdo, começaram a surgir sites cujo objetivo era mostrar imagens de capturadas por webcams em tempo real. O pontapé inicial havia sido dado!

A Webcam e a Internet

A Internet no final dos anos 90 e começo do novo século, era muito diferente do que temos hoje. Embora o aumento do número de sites era assombroso para a época, tudo ainda era muito primitivo. Da mesma forma, eram os sites que tinham como único propósito mostrar em um quadro central, imagens em baixa resolução de algo, mas em tempo real.

Eram câmeras apontadas para cartões postais famosos, como por exemplo, a praia de Copacabana. A taxa de atualização de quadros das imagens, era baixa. Por vezes a imagem congelava, ou pelo hardware ser insuficiente para uma atualização em frequência maior, que era de apenas 15 fps (frames per second), ou pela baixa velocidade da transmissão de dados da conexão com a Internet, ou ambos.

Apesar das limitações técnicas então existentes, os sites que exibiam 24 horas de imagens de algo, rapidamente tornaram-se sucesso, fazendo surgir até mesmo sites que listavam outros sites que exibiam as imagens das webcams mais populares do mundo.

Os temas das filmagens começaram a ampliar-se e logo um site que exibia em tempo real o dia a dia de uma moça, durante 24 horas, 7 dias por semana, tornou-se um dos mais visitados do mundo. De certa forma, entende-se o sucesso que mais tarde viriam a fazer os programas chamados de reality shows.

Pode-se dizer até mesmo, que as primeiras webcams e os sites que faziam uso delas como tema central, foram as responsáveis por criar as primeiras “celebridades” da Internet.

Com novas empresas aderindo a este segmento, surgiram mais opções de modelos, melhorias na tecnologia, favorecendo o surgimento de câmeras com melhor qualidade de imagem e mais acessíveis. Era o que faltava para enfim as pessoas poderem comprar suas próprias webcams para usar em seus PCs.

Em meados dos anos 2000, alguns comunicadores que hoje são representados pelo Skype e similares, mas que na ocasião tinham como principal representante, o ICQ e o Microsoft Messenger, incluiram o recurso de poder exibir a imagem da webcam dos participantes do chat.

As pessoas adoraram a possibilidade de verem e serem vistas em conversas que antes eram apenas de texto, mesmo que frequentemente a transmissão travasse e devido ao consumo da banda, tinham que contentar-se com alguns segundos de transmissão.

Desde então, as webcams possibilitaram o surgimento de sites com diversas propostas, desde aqueles que mostravam o trânsito nas principais vias de uma cidade, o ensaio de uma banda de Rock, o movimento das mesas de um concorrido restaurante e porque não dizer, da indústria da pornografia, que movimenta ainda hoje, incontáveis milhões de faturamento, com base nas imagens capturadas pelas modernas câmeras existentes atualmente e velocidade de Internet bem superior.

As câmeras ganharam novos formatos, deixaram as mesas ou a parte superior dos monitores e passaram a equipar outros dispositivos, como seu notebook, seu tablet e smartphone. Têm resoluções antes restritas apenas a equipamentos profissionais e qualquer criança sabe como usar.

Em meio às redes sociais mais populares do mundo, como o Instagram e o Facebook, são responsáveis por colocar em segundos no ar, a captura e o registro de momentos diversos dos usuários. O que seria do Instagram sem as câmeras? E as lives hoje tão comuns? O YouTube teria a popularidade e o tamanho que tem hoje, se não fossem elas?

As babás eletrônicas dos anos 90, deram lugar às câmeras IP, de forma que um pai ou mãe, podem acompanhar seu filho do trabalho e até do outro lado do mundo, em tempo real. Ao passar na catraca do ônibus, uma câmera consegue verificar se o usuário é o mesmo cadastrado e vinculado ao cartão utilizado como passe, autorizando ou não sua passagem.

Já há veículos equipados com câmeras que são capazes de emitir alertas quando um motorista apresenta sinais de cansaço ao volante, sai involuntariamente da faixa de rolamento e aproxima-se perigosamente de outros veículos, como também reconhecer o motorista e ajustar até o banco e volante na sua posição preferida de dirigir.

Na China, já há lojas em que câmeras associadas a sistemas de Inteligência Artificial, que usam reconhecimento facial dos consumidores cadastrados e que permitem que cada item que ele levar da loja com ele, automaticamente gerem o débito em seu cartão, sem que o cliente tenha que nem mesmo ter sua carteira consigo.

Os carros autônomos, são outro exemplo real do que as câmeras atuando sob sistemas de Inteligência Artificial, Machine Learning e conexões 5G, podem entregar em termos de benefícios, tornando realidade o que até pouco tempo parecia possível somente nos filmes de ficção científica.

Portanto, não é exagero dizer que a Internet, em parte é o que conhecemos hoje, bem como vários adventos modernos só existem, graças a um dispositivo que nasceu para monitorar uma garrafa de café para um grupo de professores ávidos pela bebida!

Conclusão

As webcams, embora não tenham nascido com o propósito que as tornou populares, quebraram o paradigma então associado às câmeras analógicas, possibilitando uma ampla gama de usos inéditos, que fez por um lado ajudar no desenvolvimento da Internet e por outro, por associação favoreceu o desenvolvimento de novas tecnologias que combinadas têm ampliado de maneira substancial as perspectivas de serviços ao nosso dispor.

Comentários ({{totalComentarios}})