Quando conteúdo é também publicidade?

Ao longo de séculos – sim, séculos – a publicidade vem sendo usada como uma importante forma de dar destaque a produtos, serviços e marcas nas diferentes mídias disponíveis, frente a concorrência. Mas com o advento da Internet e o surgimento de outras tecnologias que orbitam ao seu redor, se ela não está sob séria ameaça, pelo menos ganhou um concorrente de peso – o conteúdo!

Sim, você não leu errado. O conteúdo na Internet entre outros objetivos, também tem desempenhado o papel de concorrente da publicidade nos moldes como a conhecemos. Pelo menos para alguns produtores de conteúdo mais perspicazes.

Se você quer entender melhor esse conceito e como usar o conteúdo como publicidade no século XXI, siga-nos até o fim…

O que é publicidade?

Muita gente sabe o que é, embora poucos saibam explicar.

Publicidade é a forma de comunicação dirigida por meio da qual se pretende promover – ou elevar a um nível mais alto – produtos, serviços e marcas.

Essa bastante curta e talvez incompleta, mas objetiva e esclarecedora definição, nos ajuda a ter em mente a conexão que usaremos mais a frente.

Antes porém, vamos entender o cenário da publicidade digital na atualidade.

Como funciona a publicidade?

A não ser que você seja um profissional da área ou algum curioso saudosista querendo lembrar de alguma coisa do passado ou se encantou com uma rara publicidade que foi muito criativa e se destacou por isso, ninguém consome deliberadamente publicidade.

As pessoas não dedicam seu tempo espontânea e voluntariamente para ver publicidade, salvo raras exceções, quando por exemplo, seu notebook precisa ser aposentado e você está considerando a possibilidade de adquirir um novo. Mas essa é uma abordagem muito passiva e restritiva.

Ela – a publicidade – está lá inserida no meio de alguma outra coisa e essa sim foi a razão pelo qual sua atenção foi despertada. Pode ser em uma página da revista ou do jornal. No intervalo do filme ou algum programa na TV. Durante um vídeo qualquer no YouTube, ou em algumas áreas do site que você está visitando. E até mesmo no jogo ou outro app gratuito que você instalou no seu smartphone.

O seu foco estava na revista ou jornal, no filme ou no programa de TV, no vídeo ou no site, ou ainda no game. Não na publicidade. Inclusive é na hora do comercial, é quando você se levanta para ir ao banheiro ou assaltar a geladeira.

Não importa no que ela aparece e as muitas variedades e formatos e situações nas quais ela está presente.

O que há de comum a todas elas, é que ela aparece como “intrusa”. O motivo principal, é o conteúdo ao qual elas estão associadas. É por isso que o candidato a cliente, chegou até lá.

Ou seja, a não ser que você disponha de montanhas de dinheiro para investir em uma campanha que talvez seja premiada, restará a você tentar dizer alguma coisa em 5 segundos que chame a atenção e desperte o interesse do seu público e evite o internauta de clicar em “pular anúncio”.

São 5 segundos em que você precisa fazer malabarismos, mas que parecem uma eternidade para aquela pessoa que está lá querendo qualquer coisa, menos ouvir o que você tem a dizer!

Ela só aguarda ansiosa a contagem regressiva até aparecerem as palavras mágicas que vão tirar aquilo da sua frente e levá-la de volta ao que interessa – o conteúdo.

As pessoas instalam extensões nos seus navegadores para bloquear publicidade, bloqueiam cookies de terceiros, procuram desesperadamente o botão de pular anúncio e até pagam para ter versões livres de publicidade de aplicativos e serviços, para se verem livres dela.

Qual o papel do conteúdo?

Nosso propósito não é falar do Marketing de Conteúdo e Inbound Marketing e como o trabalho relacionado a conteúdo produz benefícios. Há muito material aqui no nosso blog e em outros sites a respeito e provavelmente se você ainda não é um mestre no assunto, já deve conhecer o suficiente.

E se não conhece, quando e se decidir mudar isso, sabe onde encontrar e o que fazer.

Por isso vamos apenas listar rapidamente os principais papéis que o conteúdo desempenha e porque ele é tão importante atualmente:

  • Principal meio para produzir tráfego orgânico;

  • Ajuda a “educar” seu público;

  • É matéria-prima do SEO;

  • Diminui ou mesmo elimina a distância entre grandes e pequenas empresas;

  • Influencia na decisão de compra;

  • Contribui para o engajamento;

  • Um dos pilares do Marketing Digital;

  • Pode ser prestação de serviço, na medida em que é informativo;

  • Está ao alcance de qualquer empresa;

  • Reduz o custo de aquisição de clientes;

  • Faz parte da promoção de produtos, serviços e marcas.

É razoavelmente consensual esses e outros papéis que o conteúdo tem em uma estratégia de Marketing Digital.

Mas e quanto a ser publicidade?

Se você está atento, o último – mas não menos importante – papel do conteúdo na lista acima, é promover produtos, serviços e marcas, tal como é o objetivo ou papel da publicidade. Bingo!

Conteúdo como publicidade

Diferente da publicidade em suas manifestações mais convencionais, conteúdo não é algo isolado. Está dentro de um contexto.

Mesmo que seja só para passar o tempo, a escolha de consumir qualquer conteúdo, leva em consideração um nível mínimo de interesse da sua parte, bem diferente da enxurrada de publicidade que invade nossos dispositivos.

Bons conteúdos e não quaisquer uns, ajudam na promoção dos produtos, serviços e marcas aos quais estão associados.

Considere para efeito de exemplo, um post sobre calibragem correta de pneus automotivos, produzido por um fabricante de pneus.

Ao saber que manter os pneus do seu carro calibrados corretamente, você terá como benefícios, menor consumo de combustível, maior durabilidade da suspensão, mais segurança, além de maior vida útil dos próprios pneus, sua percepção sobre a marca que produziu esse conteúdo, tende a melhorar.

Mas diferentemente da publicidade tradicional que apenas visa enaltecer determinadas qualidades de um pneu qualquer, independente para qual persona ela está chegando, no nosso exemplo, primeiro você se interessou e em um segundo momento, viu benefícios concretos. Não importa qual persona você é.

Melhor ainda, funcionou como publicidade, mas não teve cara, nem jeito de publicidade e com os “efeitos colaterais” que ela tem.

É menos “suspeito”, porque não tinha como primeiro objetivo enaltecer as qualidades de um produto de marca específica, mas falar indistintamente de pneus e que podem ser inclusive da marca concorrente.

Ao contrário. Dependendo do quão interessante for, você pode compartilhar com amigos que gostam do mesmo assunto, nas suas redes sociais ou até fazer um Marketing boca a boca.

E de repente, alguém até responde: “Que bacana! Não sabia disso. Posso compartilhar na minha timeline?”.

Pronto. Serviço feito.

Como as pessoas consomem conteúdo?

As pessoas fogem da publicidade “tradicional”, com cara de publicidade, com jeito de publicidade. Mas pessoas buscam conteúdo. Conteúdos de todos os tipos e sobre as mais diferentes coisas.

E mesmo que seja só por curiosidade, se há curiosidade, há também algum nível de interesse.

As pessoas consomem conteúdo porque têm dores que querem curar, porque há necessidades e desejos que precisam ser atendidos, dúvidas que querem esclarecer, querem se informar por diferentes razões, precisam de ajuda para fazer escolhas, para divertirem-se e por outras razões.

O que há de comum, independente dos motivos, é que elas voluntariamente escolherem. Diferente da publicidade, que lhes é imposta.

E por elas terem a opção da escolha, elas também estão mais dispostas a dar atenção, dedicar mais tempo, ir além e consumir outros conteúdos relacionados e se engajarem se encontrarem razões para tanto.

Quando se consegue isso tudo a partir de conteúdos que você mantém em um blog ou mesmo em um canal no YouTube, sua audiência ao consumi-lo, direciona sua atenção e interesse autonomamente e dentro de um contexto que faz mais sentido para ela e não isoladamente como em uma peça publicitária, por mais rica e criativa que ela seja.

Mas cuidado!

Se você compreendeu as sutis peculiaridades envolvidas, também entendeu que não deve produzir conteúdo com o objetivo de promover seus produtos, serviços ou a sua marca!

A promoção deles é consequência de você ter esclarecido dúvidas, curado dores, atendido necessidades, ou outros objetivos primários que a audiência tem.

Se parecer com publicidade, os efeitos não serão os mesmos!

Conclusão

Fazer publicidade por meio de conteúdos, é ampliar os benefícios que bons conteúdos geram e superar as resistências que a publicidade tradicional tem.

Comentários ({{totalComentarios}})