A importância do domínio personalizado para todas marcas / empresas

Não é exagero nenhum dizer que em grande parte, ele foi o responsável pela rede mundial de computadores ser o que é hoje, afinal ainda lá nos já distantes primórdios da Internet, que por intermédio de um, todo mundo acessava os primeiros sites. Estamos falando do domínio personalizado!

De uns tempos para cá, até parece que ele já não é mais tão importante assim e uma página de resultados de uma busca no Google, ou quem sabe no Bing, pode cumprir a mesma função de conduzir o internauta onde ele deseja.

Mas engana-se quem pensa assim.

Se você se inclui nesse grupo que acha que sua marca, sua empresa pode prescindir de um domínio personalizado, esse conteúdo é para você!

O que é domínio personalizado?

Pode parecer um tanto redundante ou um exercício retórico e em um primeiro momento, quem pensa melhor sobre a questão, pode fazer questionamentos do tipo: “afinal existe algum domínio que não seja personalizado?”.

Não, não existe!

Todo domínio é único e tem por objetivo personalizar ou individualizar o nome a ele associado.

Melhor dizendo, um domínio e sua respectiva extensão ou TLD (Top Level Domain), são únicos. Mais ainda do que os nomes das pessoas, as quais podem ter um homônimo. Às vezes até mais de um.

Com domínios isso não pode acontecer. Não é possível e o próprio sistema de nomes de domínios (Domain Name System ou DNS) e como ele foi concebido, não permite que isso ocorra. Ou seja, duas ou mais pessoas ou empresas, não são capazes de registrarem seus domínios idênticos um ao outro.

Cada domínio existente no mundo, corresponde uma única pessoa / empresa, logo todo domínio é personalizado, ou individualizado, se preferir!

A questão não é exatamente essa – se todo domínio é personalizado ou não – mas é como o mercado e nossa mente a trata a questão.

Isso porque desde os princípios da Internet, se por um lado algumas pessoas e empresas já tinham seus próprios domínios, outros já utilizavam domínios de terceiros para hospedar os mais diversos tipos de conteúdos. Isso não é novidade.

Na década de 1990, quando se viu o avanço comercial da Internet ou agora, em pleno século XXI, pessoas e empresas ainda usam domínios de grandes sites para hospedar seus conteúdos. Naquela época os nomes podiam ser: MySpace, Tripod, Angelfire, Geocities ou HPG.

Agora são outros e você sabe bem quais são. Se não sabe, estamos falando das redes sociais.

A diferença para hoje, basicamente está nos nomes dos serviços.

Assim, se nos anos 90 dois sites usando a hospedagem gratuita do GeoCities, poderiam ter os endereços joao.geocities.com e jose.geocities.com ou ainda, www.geocities.com/joao e www.geocities.com/jose, agora seria www.facebook.com/joao e www.facebook.com/jose, respectivamente.

Já há algum tempo, que nenhum daqueles serviços existem mais e com eles, acabou também o conteúdo antes neles hospedados.

Além disso, quando se utiliza um serviço – e consequentemente um domínio – de terceiro para hospedar qualquer conteúdo seu ou de sua empresa, não está usando um nome que lhe pertence e sendo assim, não existe identidade, não existe nome próprio, nem marca própria, ou decisões 100% autônomas sobre o que pode ou não e, sobretudo, não há PERSONALIZAÇÃO, que é o processo de individualizar ou tornar algo único!

Sim, porque se há a sua conta, há também de outros milhões e que podem até se parecer com a sua. Inclusive por isso, que muitos têm que criar coisas como “Fulano Oficial”, “Cicrano Oficial”, etc.

Marcas e empresas que não têm um domínio personalizado, sempre estarão vinculadas e DEPENDENTES da rede social na qual a conta está criada. É a conta do Face, do Insta, do YouTube, antes de ser da sua marca.

A importância do domínio personalizado

Ao acessar um website, tudo o que você digita logo após www, consiste do domínio.

Uma vez que se tenha dito isso, você consegue responder quantos domínios você já digitou na vida? Você é capaz de dar essa informação em relação a um domínio qualquer? Certamente são perguntas para as quais ninguém consegue dar uma resposta, porque foram inúmeras vezes.

Toda vez que alguém acessa sua rede social preferida, seus sites de compras mais frequentes, seus blogs favoritos e dezenas de outros sites que todos estão habituados, digita-se um domínio e o cérebro se encarrega de trazer à tona nomes, marcas, coisas das quais se gosta, ou que se usa, ou que se precisa.

Você consegue perceber a importância disso?

São marcas das suas memórias na Internet e o resultado de suas experiências. É tão forte, que não é exagerado dizer que fazer esse tipo de associação com domínios, é o “Top Of Mind digital”.

Aliás, desde que a Internet passou a ocupar o espaço que tem, o trabalho de branding tornou-se também muito dependente de fazer as associações com o digital e não apenas o analógico, como era antes.

Assim, o domínio é uma forma simples, amigável e de fácil lembrança, que nos leva a um ponto da Web em que temos algum conteúdo que queremos ou precisamos ter acesso. Mais que isso, o domínio é um vínculo entre alguém e um profissional, uma marca, um serviço ou algo relacionado a aquele nome.

Naturalmente que há alternativas para se chegar a um site qualquer sem que se saiba o seu domínio, como por exemplo, clicando nos resultados de sites de busca como Google ou Bing, mas por mais informação que exista sobre sites nessas ferramentas, você só consegue o acesso aos resultados exibidos, porque existe um domínio personalizado e, portanto único, por trás de cada resultado.

Ainda que existam apps que conduzam o visitante ao site sem que se tenha que saber seu respectivo domínio, isso também só é possível porque existe o domínio correspondente.

No fim, significa dizer que mesmo que alguns ou muitos não precisem saber nenhum domínio, ele é o único meio de individualizar sua empresa / marca na Web.

Quais as vantagens / benefícios de ter um domínio personalizado?

A essa altura, para muitos já deve estar evidente a importância de se ter um domínio próprio, mas se o que tratamos ainda não foi suficiente para convencê-lo, saiba que há ainda muito mais razões e as respectivas vantagens em ter um domínio para chamar de seu…

1. Fim das redes sociais

Não, nem amanhã, nem na próxima semana e nem talvez no ano que vem, será o fim das redes sociais!

No entanto, o Orkut não existe mais e o que um dia foi uma folgada liderança, hoje apenas coloca o Facebook na quarta posição entre as redes sociais mais usadas no Brasil.

A única certeza que todo mundo tem, é que o trabalho que se faz hoje para alimentar de conteúdo uma determinada rede, amanhã pode ter sido em vão, seja porque o número de usuários ativos despencou, seja porque foi vendida para um bilionário que mudou suas principais políticas, seja porque surgiu uma nova “queridinha” que lhe roubou o lugar.

Visto de outra forma, ninguém tem a menor previsibilidade de médio ou longo prazos.

2. Políticas próprias

Quando se usa um domínio de terceiro, fica-se sob as políticas e os termos de uso dele.

A empresa / marca, não tem total liberdade de definir 100% das ações relacionadas ao seu conteúdo e ainda se o serviço classificar determinado conteúdo como não permitido, ele é removido e muitas vezes inapelavelmente.

Na prática, esses serviços vão além e se algo estiver em desacordo, não só o conteúdo correspondente pode ser removido, como a conta pode ser encerrada, sem aviso prévio dependendo do caso.

E se isso já não fosse bastante, ainda há a questão de ser refém dos algoritmos das redes.

Já com um domínio próprio, seu conteúdo e suas regras.

3. Identidade visual

Os aspectos de estética e aparência (formas, cores, fontes, ícones, etc) ou em âmbito maior, a identidade visual relacionada à sua marca, seu nome, sua empresa e o conteúdo que você hospeda, são sempre o que o serviço usado adota, da mesma forma que todos que o compartilham, incluindo seus concorrentes.

Não há como se diferenciar nesse quesito quando você não está utilizando seu domínio personalizado.

4. E-mail profissional

Somente quem tem um domínio próprio, tem contas de e-mail profissionais.

Não há como criar contas de e-mail para cada área da empresa ou cada colaborador na forma fulano.de.tal@minhaempresa.com, sem que se tenha domínio personalizado.

Quem não tem, invariavelmente tem que recorrer aos serviços de e-mail grátis e mesmo que escolha a versão paga, para quem recebe ou envia para uma conta como Gmail ou Outlook, sempre parecerá que é grátis e a ideia que isso transmite, de certo amadorismo e/ou negligência com um aspecto tão importante.

5. Marketing Digital

Não há como pensar em uma estratégia de Marketing Digital completa e eficaz, apenas apoiando-se em domínios de terceiros.

Isso fica evidente ao se fazer pesquisas, quando os resultados das chamadas buscas orgânicas, geralmente privilegiam os que constam de domínios próprios.

O trabalho de SEO (Search Engine Optimization) e que consiste de otimização para motores de busca, ou simplesmente o processo de melhorar a forma como os sites de busca (Google ou Bing) enxergam um seu site ou seu conteúdo, não tem sentido e nem eficácia quando se tem conteúdo apenas nas redes sociais.

Outro ponto afetado e já brevemente comentado, é o branding, que também é severamente comprometido quando não se tem um domínio próprio.

6. Planejamento

E se alguma coisa mudar? Tudo o que muda em uma empresa, deveria ser decisão da própria empresa, exceto quando se hospeda seu site em um domínio que não lhe pertence. Você estará condicionado a mudar, se e quando o serviço usado mudar. Não é uma decisão que cabe à empresa.

E não é só questão de políticas, mas de vários outros aspectos, como quando a plataforma muda um recurso, aposenta outro e lança um terceiro.

Se o planejamento elaborado e que contempla ações e conteúdos não for muito dinâmico e flexível, sempre que mudanças ocorrerem, ele será afetado em alguma medida.

7. Autonomia

Se por exemplo, você quer incluir um FAQ, um fórum, uma área protegida para clientes, ou qualquer outro recurso, porque entende os benefícios que isso produz aos seus clientes, ou porque seus principais concorrentes têm, você não pode.

Contrariamente àqueles que têm domínio próprio, que podem ter tantos tipos de sites quantos acharem úteis ao seu público e que fazem parte das suas estratégias de Marketing e comerciais, como é o caso de um e-commerce, por exemplo.

8. Preservação do conteúdo

Esse é um aspecto que já mencionamos. Por exemplo, com o fim do Orkut, mesmo que houvesse um prazo até a total inacessibilidade da rede, tudo o que foi feito sob ele, foi perdido. Quando se hospeda qualquer coisa em um serviço de um terceiro, quando o mesmo é encerrado, como no caso dos citados HPG ou GeoCities, seu site acaba com eles

Isso porque ainda que sob a autoria do usuário, o conteúdo não é da marca sob o ponto de vista dos motores de busca, mas da rede social. Dessa forma, não cria vínculo com a marca.

Sim, parte significativa do trabalho de conteúdo que você faz, quem mais fatura com ele, não é você!

Por outro lado, todo tipo de conteúdo sob domínio próprio, contribuirá de diferentes formas ao longo do tempo que ele existir, por exemplo, conferindo-lhe autoridade.

9. Atendimento

Mesmo oferecendo algumas opções, quem não tem autonomia por estar sob infraestrutura e políticas de terceiros, não pode decidir integralmente como prestará atendimento ao seu público. Estará sempre limitado pelo que a plataforma disponibiliza.

Quer um chat de atendimento? Use o chatbot disponível.

Seria importante e útil um help desk? Conforme-se em ficar sem.

Precisa fornecer atendimento telefônico, porque muitos dos seus clientes são nativos analógicos e também porque nem todo mundo está nas redes sociais? Esqueça deles!

Ou seja, saiba que dificilmente conseguirá prestar atendimento de qualidade e muito menos um que seja personalizado, se não dispuser de domínio próprio.

10. Privacidade

Se você valoriza a privacidade dos seus clientes e dos seus dados, saiba que isso não existe sob uma rede social. Em termos práticos, eles têm acesso a tudo o que sua empresa tem. Na verdade, só eles têm acesso a tudo e sua empresa, apenas ao que eles permitem.

Se você acha exagero, não custa lembrar o escândalo da Cambride Analytica.

E se acontecer um vazamento de dados?

Sim, alguns já ocorreram e alguns dirão que praticamente qualquer um pode estar sujeito a esse tipo de ação, o que é verdade. Como também é verdade que é bem mais provável que uma grande rede social seja alvo de um ataque com tal finalidade, do que um site de micro ou pequena empresa.

12. Ações especiais

Pensou em criar um hotsite para o lançamento do ano, uma landing page para uma promoção, quer fazer uma ação inovadora para a Black Friday, ou quem sabe seus produtos são a cara do Dia das Mães? Esse é outro caso que você tem que se virar com o pouco que as redes lhe permitem fazer.

Há inúmeros exemplos de possibilidades que a Internet oferece, mas apenas àqueles que tem domínio próprio.

Ou seja, é bastante claro por todos os aspectos acima, que a individualização ou personalização que se tem ao ter um domínio próprio, permite você tomar as rédeas das decisões e do destino do seu conteúdo e por consequência do seu trabalho, do seu serviço, da sua marca, do seu produto. Se não for assim, estará nas mãos de outra empresa.

Como ter domínio personalizado?

Sempre foi fácil registrar e manter um domínio próprio e hoje não é diferente. Pelo contrário, é ainda mais fácil do que já foi.

Você pode escolher entre domínios nacionais ou internacionais. Pode dispor ainda de uma variedade de extensões que refletem ainda melhor seu ramo de atividade, o que pode ser bastante interessante ou mesmo desejável no caso de profissionais liberais, por exemplo.

Muitas empresas oferecem o serviço de registro de domínio e os valores são bastante acessíveis. Por valores a partir de R$ 40,00 ao ano, é possível ter um domínio personalizado e assim poder ditar os rumos do seu negócio na Internet. Em muitas empresas, ao se contratar um plano de hospedagem, dependendo de como escolher pagar, o domínio pode sair de graça.

Conclusão

O domínio personalizado ou domínio próprio, é praticamente de um aspecto básico quando se pensa em Internet. As vantagens são inúmeras e as facilidades também. Não é possível imaginar razões para não ter, quando alguém ou alguma empresa decide que tem que marcar presença digital.

Comentários ({{totalComentarios}})